The Ressabiator

Ícone

Se não podes pô-los a pensar uma vez, podes pô-los a pensar duas vezes

Fantasmas

jackson0

Estas são duas imagens de Michael Jackson. A primeira é de um artigo na revista Ebony, de Agosto de 1985, que apanhei há alguns dias no ffffound, ilustrando qual poderia ser o aspecto de Jackson no ano 2000. De acordo com o artigo que acompanha a imagem, os editores tinham pedido a um artista de Chicago, Nathan Wright, para mostrar como estariam uma série de figuras afro-americanas daí a quinze anos. Segundo se pode ler na legenda da imagem: “Aos 40, [Jackson] terá envelhecido graciosamente e terá um visual mais maduro e atraente. No ano 2000, o número dos seus fãs terá multiplicado por dez.”

A imagem ilustra também que ninguém poderia adivinhar como seria realmente Jackson no ano 2000; ninguém poderia prever os escândalos e as plásticas. Esta imagem faz um bom conjunto com aqueles livros, ilustrações e filmes que, ao longo de todo o século XX, previam carros voadores, casas robotizadas, viagens turísticas interestelares e bases lunares – tudo com o prazo de validade apontado também para o ano 2000. Ao olhar para estas imagens de retrofuturismo sente-se uma espécie convoluta de nostalgia – saudades de um passado em que se esperava um futuro melhor. Não exactamente um pessimismo, mas um optimismo estranho.

A segunda imagem é um bom exemplo deste tipo de sensação. Já a tinha referenciado no Coisas Avulsas. É uma simulação, usando técnicas mais ou menos forenses – na verdade, muito photoshop –, mostrando como Jackson seria na sua idade actual, sem as suas plásticas. Ao contrário da anterior, não mostra o futuro mas uma realidade alternativa onde as coisas teriam corrido, sem dúvida, de uma forma melhor.

O facto da primeira ter sido feita por um artista e a segunda por peritos forenses dá a entender uma diferença fundamental entre Agosto de 1985 e Agosto de 2008, as datas das duas imagens. Nos anos 80 ainda não haviam séries de televisão especializadas em técnicas forenses, embora já se desse passos nessa direcção – a primeira vez que ouvi falar de uma reconstrução facial a partir de ossadas foi no livro Corgy Park, escrito em 1981 por Martin Cruz Smith e adaptado ao cinema dois anos depois. Na altura, a ideia parecia macabra e inesperada: moldar com plasticina e olhos de vidro a aparência de uma pessoa a partir da sua caveira.

Entretanto, a ciência forense iria entrar na moda. Procedimentos policiais que seriam considerados entediantes tornaram-se pretexto para séries de acção – para quando uma série sobre brigadas fiscais ou sobre a polícia de trânsito? Na TV Cabo é costume ver a ciência forense aplicada a descobrir como morreu uma múmia ou como decorreu realmente um duelo lendário do Velho Oeste. Fica a sensação que vivemos num mundo em que o crime – presente, passado e futuro – pode ser erradicado recorrendo à ciência.

Mas a “fotografia” de Jackson demonstra os problemas da proliferação deste género de imagens. Tal como nos habituamos a ver em séries como CSI, as técnicas usadas para simular Michael Jackson aos 50 anos são as mesmas que se usa para simular a aparência de crianças desaparecidas – como no Caso Maddie, por exemplo. Não é de todo inocente a aplicação deste género de técnica a uma figura como Jackson, uma antiga criança-estrela entretanto acusada de abuso de menores – é, essencialmente, uma conotação de perversão feita em termos puramente visuais. É como se ilustrasse o próprio Jackson enquanto criança desaparecida – no fundo, enquanto raptor de si mesmo.

Filed under: Não é bem design, mas...

3 Responses

  1. Mário, o teu texto fez-me lembrar um outro sobre as questões inerentes à manipulação fotográfica, desta feita não de pessoas mas de objectos inanimados {embora Michael Jackson esteja a meio-caminho das duas coisas… lol}.

    Poder ser que te interesse {até pode ser que já tenhas topado a polémica} e, quem sabe, origine mais um texto teu – http://criticalterrain.wordpress.com/2009/07/23/truthy-lies-photographers-speak-out-on-edgar-martins/

  2. Ai, cá estou de novo a lançar desafios…

    O meu amigo Pedro Magalhães postava no outro dia {http://margensdeerro.blogspot.com/2009/07/estes-romanos-sao-loucos.html} acerca de uns boletins de voto num recente referendo em Itália. O tema {boletins de voto} já dava um texto por si, mas estes boletins davam uma tese.

    Vale a pena explorar. O link para os ditos está num dos comentários ao post original.

    Abraço.

Deixe uma Resposta para Mário Moura Cancelar resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Arquivos

Arquivos

Categorias

%d bloggers like this: