The Ressabiator

Ícone

Se não podes pô-los a pensar uma vez, podes pô-los a pensar duas vezes

A Imprensa Tradicional?

Durante muitos anos resisti a mandar vir livros pela net: porque gostava de os sentir na mão antes de os comprar, porque gostava do ritual de passar pelas livrarias a ver o que tinha chegado de novo – mas sobretudo  por causa da minha objecção de consciência ao uso do cartão de crédito. Como alternativa, tentei o MBnet, um serviço que gera números de cartão de crédito virtuais – que no meu caso eram duplamente virtuais porque nunca funcionavam. Fui ao banco, ninguém me conseguia resolver o problema e acabei por desistir. Continuei a comprar livros à antiga.

Um dia, muito tempo depois, num acesso de tédio e frustração tentei outra vez o MBnet. Para minha surpresa, funcionou e desde então tenho-me dedicado a encomendar livros pela net.

Leia o resto deste artigo »

Anúncios

Filed under: Crítica, Cultura, Design, Publicações

Pentagram Marks

via

Habituei-me a só escrever sobre livros que pude consultar com vagar – meus, porque os comprei, porque me foram oferecidos; ou emprestados, por amigos ou por bibliotecas. De algum modo, sinto que só posso avaliá-los se tiver passado por esse ritual de posse, mesmo que temporário. Apercebo-me que a minha crítica acaba por funcionar como uma critica de consumo – como um direito básico de reclamar objectos mal feitos ou de elogiar (gabando-me um bocadinho) os bons negócios que fiz.

Leia o resto deste artigo »

Filed under: Crítica, Cultura, Design, Publicações, Publicidade

O Arquipélago

via

Enquanto a crítica se usa para articular uma opinião sobre aquilo que vamos vendo – a tentar perceber o presente, no fundo –, a história dedica-se a tentar perceber o passado. Cada uma tem os seus problemas próprios, demasiado grandes e complexos para referir aqui, excepto talvez um, que será o tema deste texto: o efeito que a crítica ou a história têm sobre os outros. Ou seja: o modo como funcionam como um discurso público.

Leia o resto deste artigo »

Filed under: Crítica, Cultura, Design, História

Crítica e Academia

Depois de Bolonha, a produção de teses de mestrado, de doutoramento e de papers académicos disparou, no entanto, a produção de crítica sobre design continua residual. Como explicar o aparente paradoxo?

Leia o resto deste artigo »

Filed under: Crítica, Cultura, Design, Ensino

Para a próxima é que é

De vez em quando, demasiadas vezes, duas ou mais por dia, se for época de avaliações, aparece-me alguém, em geral um aluno, mais raramente colegas – porque não é comum falar-se destas coisas entre professores de design –, aparece-me alguém que não se sente preparado para começar a escrever sobre design e que deixa que essa insegurança vá adiando indefinidamente a escrita.

Leia o resto deste artigo »

Filed under: Crítica, Cultura, Design, Ensino

Ensinar Design

via Christoph Niemann

Dar aulas numa universidade é, neste momento, uma actividade penosa – muitas cadeiras, muitas turmas, muitos alunos. A culpa é em parte de Bolonha, em parte da economia, em parte da gestão particular das instituições que, confrontada com decisões difíceis, pode – como é evidente – decidir distribuir a carga por todos ou apenas por alguns. Contra a fadiga e desalento, vale talvez a pena, como antídoto ou até como mero passatempo, perguntarmo-nos o porquê disto tudo: porquê um ensino superior do design?

Leia o resto deste artigo »

Filed under: Crítica, Cultura, Design, Ensino

Recensão no Público e Mais Algumas Coisas

No suplemento Ípsilon do Público de hoje, saiu uma recensão minha à edição portuguesa de “Uma Filosofia do Design – A Forma das Coisas”, de Vilém Flusser, um dos meus livros favoritos sobre design.

Entretanto apareceu no portal espanhol Graffica um artigo sobre design português onde aparece uma referência a este blogue. Também surgiu um artigo na Communication Arts sobre o mesmo assunto, também com uma referência ao Ressabiator, da autoria de Robert L. Peters. Neste último caso, apesar da boa vontade do senhor, sou obrigado a concordar com o José Bártolo, lamentando a boa parte do texto que é dedicada à história e à mentalidade portuguesa.

(Já agora, para quem ainda não sabe, o inglês tem uma palavra bem bonita que quer dizer o mesmo que saudade: wistfulness)

Filed under: Crítica, Cultura, Design, Notícias Breves

“Fatalismo ou quê?”

Em 1954, editou-se um número especial da revista O Gráfico dedicado ao centenário do nascimento de Libânio da Silva, tipógrafo, autor de um Manual de Tipografia (1908, reeditado em 1962).

A homenagem é intensa e – por vezes – embaraçosa: há versos dedicados ao tipógrafo (que também foi poeta); reproduz-se a dada altura a sua certidão de baptismo. Mas, apesar da comemoração, há também um tom constante de queixume e nostalgia. Fala-se do rigor e da integridade dos velhos tempos, denunciando a estreiteza dos tempos que correm – não se trata tanto da celebração de um tipógrafo desaparecido, como de um conjunto de criticas mais ou menos directas à actualidade de 1954.

Leia o resto deste artigo »

Filed under: Crítica, Cultura, Design, História,

A História (mas só daqui a bocadinho)

via aqui.

Uma das sensações mais frustrantes para quem lida com o design gráfico é a sua relação ambígua com a história. De vez em quando, por exemplo, aparecem livros (em geral mais povoados de imagens do que texto) onde se declara – modestamente – que ainda não são, nem pretendem ser, a verdadeira história, mas que lhe preparam o caminho. Na introdução do anuário da Graphis Annual 67/68 declara-se por exemplo que:

“Um debate fervilha entre um certo grupo de historiadores sobre a validade da história. A questão é se os eventos discretos que tiveram lugar em outros séculos não são mais do que um grande ‘acontecimento’ e se a história não é apenas o conceito posterior inventado pelos historiógrafos. Sem enfrentar esta questão difícil, poderemos talvez afirmar com segurança que se o homem tivesse um catálogo sensato da sua voz popular como parte do património cultural, a vista do nosso actual Olimpo seria consideravelmente menos nebulosa. Certamente muitos das características de uma era poderiam ser extraídos daquilo que os artistas e designers gráficos produziram. Neste sentido, uma antologia gráfica anual pode servir como uma espécie de ponto de referência histórico.”

Leia o resto deste artigo »

Filed under: Crítica, Cultura, Design, História

Mário Moura

Mário Moura, blogger, conferencista, crítico. Escreve no blogue ressabiator.wordpress.com. Parte dos seus textos foram recolhidos no livro Design em Tempos de Crise (Braço de Ferro, 2009). A sua tese de doutoramento trata da autoria no design.

Dá aulas na FBAUP (História e Crítica do Design Tipografia, Edição) e pertence ao Centro de Investigação i2ads.

História Universal do: Estágio

O "Estágio"
O Negócio Perfeito
Maus Empregos
Trabalho a Sério
Design & Desilusão
"Fatalismo ou quê?"
Liberal, irreal, social
Conformismo
Juventude em Marcha
A Eterna Juventude
Indústrias Familiares
Papá, De Onde Vêm os Designers?
Geração Espontânea
O Parlamento das Cantigas
Soluções...

História Universal dos: Zombies

Zombies Capitalistas do Espaço Sideral
Vampiros, Zombies, Classe Média

Comentários

Comentários fora de tópico, violentos, incompreensíveis ou insultuosos serão sumariamente apagados.

Comentários Recentes

Mário Moura em Livro
João Sobral em Livro
Peixinho de Prata em O Espectador Calado
Mário Moura em Occidente, 1889
Augusto José em Occidente, 1889

Arquivos

Categorias