The Ressabiator

Ícone

Se não podes pô-los a pensar uma vez, podes pô-los a pensar duas vezes

Erudição Implacável

“Testemunhar uma situação lamentável quando não se está no poder não é, de modo algum, uma actividade monótona e monocromática. Envolve o que Foucault chamou, em tempos, de ‘erudição implacável’, esquadrinhando fontes alternativas, exumando documentos enterrados, revivendo histórias esquecidas (ou abandonadas). Envolve um sentido do dramático e do insurgente, aproveitando ao máximo as raras oportunidades que se tem para falar, cativando a atenção da audiência, sendo-se melhor no humor e no debate do que os oponentes. E existe algo fundamentalmente instável nos intelectuais, os quais não têm lugares para proteger nem território para consolidar e guardar; a auto-ironia é, por isso, mais frequente que a pomposidade, a frontalidade melhor que a hesitação ou os gaguejos. Mas não há como evitar a realidade inescapável de que tais representações feitas por intelectuais não lhes vão trazer amigos em altos cargos, nem conceder honras oficiais. É uma condição solitária, sem dúvida, mas é sempre melhor do que uma tolerância gregária para com o estado das coisas.”

Apanhei esta passagem quando relia um dos melhores livros de Edward W. Said, Representações do Intelectual. Não me parece que se consiga descrever melhor o dever de intervenção pública de um intelectual do que esta curta passagem, em especial nesta época de incerteza e de impotência, em que o conhecimento se tornou burocrático ao extremo, em que as instituições académicas e culturais se viram para dentro, enrolando-se nos seus próprios processos, conformando-se com o diminuto papel que lhes é reservado de alimentar o mercado com mão de obra qualificada, sob pena de lhes retirarem o pouco dinheiro que têm, confundindo intervenção pública com discursos de circunstância, preferindo levar a sério a formalidade da publicação, reduzida na maioria dos casos a uma dúzia de exemplares, do que investir numa intervenção pública directa.

Anúncios

Filed under: Ética, Burocracia, Crítica, Cultura, Política, Prontuário da Crise

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

w

Connecting to %s

Arquivos

Comentários Recentes

Mário Moura em Livro
João Sobral em Livro
Peixinho de Prata em O Espectador Calado
Mário Moura em Occidente, 1889
Augusto José em Occidente, 1889

Arquivos

Categorias

%d bloggers like this: