The Ressabiator

Ícone

Se não podes pô-los a pensar uma vez, podes pô-los a pensar duas vezes

Quatro folhas dobradas

Uma revista Tintin de 1947 mostra bem como tanta coisa mudou em sessenta e poucos anos. Saía todas as semanas às quintas e só tinha dezasseis páginas – ou seja: quatro folhas dobradas a meio e agrafadas – pouca coisa pelos padrões actuais, onde uma banda desenhada japonesa pode chegar às duas centenas de páginas por número. As histórias eram publicadas gota a gota, uma ou duas páginas por semana. Imaginem a tortura: uma criancinha tinha que esperar três meses para ler uma história de 48 páginas, tanto quanto se espera hoje pelo fim de uma temporada de uma série americana de televisão.

Em tão pouca página, cada centímetro era precioso e ocupado com anúncios, passatempos, anedotas, historietas e cartoons. Por contraste, a grande imagem colorida da capa ou a dupla página deitada do Tintin a meio da revista deviam ter na época o impacto de uma projecção em 3D.

(Abaixo quase toda a revista, catorze páginas, menos um spread que me esqueci de fotografar.)

Anúncios

Filed under: Banda Desenhada, Crítica, Cultura, Design, Publicações

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Arquivos

Arquivos

Categorias

%d bloggers like this: