The Ressabiator

Ícone

Se não podes pô-los a pensar uma vez, podes pô-los a pensar duas vezes

Mas espera lá!

Já tinha comentado no Facebook a intervenção de Francisco José Viegas a propósito da barragem do Tua e não estava a contar falar mais do assunto, mas tive um daqueles momentos de “mas espera lá!” Em primeiro lugar, o secretário de estado da cultura lamenta a corrida ao betão que provocou aquilo tudo para, quando o jornalista lhe pergunta se essa corrida pode ser parada, responder que ainda pode ser ganha. Depois, sugere estratégias para minimizar o impacto: enterrar a cabelagem, entregar o bloco da barragem a Souto Moura e – genialmente – pigmentar a barragem. Pintá-la, pergunta o jornalista. Pigmentá-la, insiste o secretário – afinal, é um termo mais técnico mais científico. Imagino que convide um artista da nossa praça para a pigmentação, talvez um Cabrita Reis ou um José Pedro Croft que empilhem também umas lages de mármore, representativas da região (geólogos, se estão a ler isto, é uma piada, parem de gemer). E a intervenção não pode parar aí: convida-se um ensemble de música noise para disfarçar os estampidos da dinamite e um grupo de artes performativas vestido de amarelo para realizar um peça baseada nos movimentos rítmicos dos catrapilas. Podia-se fazer um festival de música alternativa chamado Milhões de Betões.

Viegas parece ter encontrado finalmente um nicho ecológico para a cultura em Portugal, que corresponde ao sítio onde estavam aquelas coisas chamadas “nichos ecológicos”.

Anúncios

Filed under: Prontuário da Crise

5 Responses

  1. Francisco diz:

    E curiosamente os Senhores que aprovaram o projecto, o anterior executivo, falam de alto e exigem justificações ao novo sobre a obra que os antigos aprovaram. Há tanta falta de nojo que chega a ser badalhoca a forma de actuar.

    Lembro um caso semelhante, ò Cardoso, essa casinha que as construções no parque da cidade te rendeu deviam ter-te metido atrás das grades.

    E agora quem paga as indemnizações à EDP? Paga o estado, que é quem diz pagamos todos.

  2. […] Atingimos um nível, neste país, que já não é possível contar uma piada sem que ela corra o risco de ser ultrapassada pela realidade nem quinze dias depois. A propósito da barragem a ser construída no Tua por Souto Moura e que Francisco José Viegas se propõe “pigmentar” como camuflagem para diminuir o seu impacto na paisagem protegida do Parque do Douro Internacional, escrevia eu: […]

  3. […] construção da tal barragem,  juntando-se uma desgraça humana a um desastre ambiental e a uma parvoeira cultural. Confesso que pensava que a coisa estivesse parada, considerando as críticas ao projecto, às […]

  4. […] a construção da barragem do Tua, uma magnífica obra do arquitecto Souto Moura, possivelmente pigmentada por algum artista da nossa praça, arte pública comemorando a privatização destruição de um […]

  5. […] isso – de convidar o arquitecto Souto Moura para projectar a barragem, acrescentando que se ia “pigmentá-la” para diminuir o seu impacto. Na altura comentei no […]

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Arquivos

Arquivos

Categorias

%d bloggers like this: