The Ressabiator

Ícone

Se não podes pô-los a pensar uma vez, podes pô-los a pensar duas vezes

Mal Entendidos

Lendo as notícias sobre a vinda de Paul Krugman a Portugal e sobretudo os comentários acusando as suas declarações que deveríamos cortar os salários em cerca de 20 a 30% em relação à Alemanha mas também evitar mais austeridade de serem uma contradição básica confirma-se que boa parte da população não percebe do que se está a falar quando se fala de austeridade.

Enquanto para o comum dos mortais o termo significa apenas poupança, sacrifícios, cortes de salários, mais impostos, etc. para os economistas significa redução do deficit e sobretudo da despesa do Estado. Quer dizer que o Estado deve ter o mínimo de peso na economia.

Numa época de crise como a nossa em que o investimento privado se acautela e espera por melhor tempos para gastar o seu dinheiro, o Estado poderia – se não acreditasse na tal austeridade – através do seu investimento ajudar a relançar a economia e a criar emprego.

É claro que Portugal está endividado e em dificuldades, mas se o Estado de países europeus com uma economia mais sólida que a nossa se dispusesse a ser menos austero e investir um pouco mais de dinheiro em obras públicas, no ensino ou em cultura, as pessoas que recebem esse dinheiro sob a forma de salários poderiam gastá-lo comprando mais coisas, que poderiam ser encomendadas em maior quantidade a quem as produz – certos países periféricos, por exemplo, onde a desvalorização relativa dos salários* tornaria o seu fabrico mais barato.

Assim cortar salários e a austeridade não são exactamente a mesma coisa, nem estão necessariamente ligados. Na prática, instalou-se um certo discurso firmemente tótó que conclui que quem é contra a austeridade é a favor de gastar dinheiro que não temos. Na verdade trata-se apenas de duvidar de uma estratégia a que se chama austeridade, que tudo indica só irá piorar a nossa situação. Não se trata de recusar fazer sacrifícios, apenas de recusar fazê-los em vão.

*Se tivéssemos a nossa própria moeda isso poderia ser feito através da sua desvalorização como não temos isso é feito através do corte.

Filed under: Economia, Política, Prontuário da Crise

2 Responses

  1. Para mim a surpresa foi ele estar a falar em baixar 20% a 30% de salários, quando a maioria da população portuguesa recebe já muito pouco. Não me parece concebível cortar 20% num ordenado de 600€ ou mesmo 800€.

    Na função pública os ordenados acima de 1500€ já estão a sofrer cortes entre 5 a 10%. Juntando a isso os cortes nos subsídios de férias e natal, talvez já tenha chegado aos 20%. No privado não sei como é que isso se poderia processar, mas de qualquer maneira há áreas em que as empresas oferecem o ordenado mínimo e exigem carro próprio..

    • de facto já anda para cima dos 20%. no caso das carreiras universitárias, por exemplo, a subida de escalão em muitos casos já não implica aumentos o que pode significar só por si um corte de 20% (para além do fim dos 13º e 14º mês, ec), mas a questão em Portugal é mais uma vez a desigualdade que tem aumentado com a destruição sistemática da classe média e dos direitos do trabalho em geral. Seria possível fazer uma distribuição dos sacrifícios bastante mais progressiva.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Arquivos

Arquivos

Categorias

%d bloggers like this: