The Ressabiator

Ícone

Se não podes pô-los a pensar uma vez, podes pô-los a pensar duas vezes

Não isso, mas algo equivalente

Não é uma história que pretenda ser exacta, no máximo dos máximos uma fábula construída a partir de várias situações ou lugares para sublinhar um argumento: uma aluna que não tinha terminado um curso – salvo erro – de pintura ainda nos anos oitenta, deixando para trás cadeiras como tapeçaria, têxteis ou cerâmica, decidiu-se a terminá-lo décadas depois, já com filhos, casa e marido. Entretanto, o curso tinha mudado de nome, as cadeiras que lhe faltavam desapareceram com a passagem para Bolonha. Os seus últimos professores já se tinham reformado há muito. Administrativamente, decidiu-se que, por equivalência, a senhora deveria frequentar uma unidade curricular relacionada com vídeo para terminar o seu curso, o que fez, calculo que com alguma dificuldade. No final, quando pediu o certificado de habilitações, com a relação das cadeiras que tinha feito e as notas que tinha tirado a cada uma, essa unidade curricular vinha identificada como tapeçaria, têxteis ou cerâmica.

Outra história: numa universidade havia um professor com uma larga bibliografia na área das ciências humanas, publicada por editoras extra-universitárias, habitualmente alvo de menção nos programas culturais do Canal 2 e de recensão nos jornais e revistas mais respeitados – tudo trabalho amplamente citado em teses de mestrado e doutoramento. Ora quando chega a altura de uma daquelas avaliações periódicas que permitem uma subida de escalão e de salário, conclui-se que não tinha publicado tantos artigos em publicações com peer review como outros colegas seus, menos vistosos ou citados, que acabaram por ser promovidos no seu lugar. Esta é uma versão possível. Em outras versões, as autoridades, mais benevolentes, acabam por decidir promover o senhor, criando-lhe um estatuto especial, uma equivalência.

Outra história ainda: lembro-me que havia quem fosse contra o casamento de pessoas do mesmo sexo mas, não querendo descriminar, não tendo nada contra a homossexualidade, tivesse sugerido a criação de um estatuto equivalente.

As sociedades democráticas governam-se através da discussão pública e só acede a essa discussão quem tenha uma identidade pública reconhecida e respeitada. As mulheres portuguesas, por exemplo, só num período relativamente recente alcançaram uma identidade pública que lhes permitisse votar, mas foi um processo longo e penoso. O design português luta desde há muito pelo seu reconhecimento – no fundo, a sua identidade pública. Até o facto de ser obrigado a identificar-se como “Outros artistas plásticos” num recibo verde o incomodava mais do que ser obrigado a passá-lo.

Quanto mais democrática é a sociedade mais se respeita e representa a diferença, recorrendo-se o menos possível a equivalências – mesmo que isso até agilize a papelada. Se há leis ou instituições que impedem regularmente as pessoas de terem um tratamento mais justo e honesto, propondo-lhes em vez disso uma qualquer equivalência, é porque precisam de ser mudadas.

Filed under: Design

2 Responses

  1. ana diz:

    outra nota para ler e apagar:

    nos detalhes dos comentários aparece “mês x, 2012 ás xx:xx”, aquele acento devia ser grave: às.

    (é uma compulsão…)

    • Eu sei (e obrigado), mas esse é um pormenor que vem de origem e que ainda não descobri como mudar (quanto ao facto/fato foi resultado da iniciativa do iPad que corrige regularmente as coisas conforme entende).

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Arquivos

Arquivos

Categorias

%d bloggers like this: