The Ressabiator

Ícone

Se não podes pô-los a pensar uma vez, podes pô-los a pensar duas vezes

Chris Marker 2021-2012

Numa das primeiras vezes que vi La Jetée, foi numa cópia pirata, em CD, o que já data de algum modo a ocasião. Já não uso CDs, nem sequer para música.

Vejo, leio e ouço quase tudo no meu computador. Já só vou ao cinema  quando estou disposto a ver não apenas o filme, mas também a própria sala de cinema, as silhuetas dos outros espectadores, o ruído que fazem mesmo quando se esforçam para estar em silêncio.

Leia o resto deste artigo »

Anúncios

Filed under: Computador, Crítica, Cultura, Não é bem design, mas..., nostalgia

Mal Entendido?

Pelos vistos, a exposição de Joana Vasconcelos em Versalhes custou 2,5 milhões de euros, divididos entre mecenas privados e apoios públicos, o artigo no Expresso não permite avaliar quem paga quanto, mas garante que o Turismo Portugal pagou pelo menos 150 mil euros. A quantia é quase um quarto da totalidade do que foi pago em apoios pontuais às artes em 2010 (800 mil). Em todo o caso, a totalidade do que se gastou na exposição é mais de três vezes isso.

Leia o resto deste artigo »

Filed under: Arte, Crítica, Cultura, Exposições, Não é bem design, mas...

Animais Iguais, Equidade Equivalente

Segundo o Expresso, os custos da austeridade continuarão a abater-se preferencialmente sobre a função pública:

“Equidade não significa ser igual”, afirmou ao Expresso um membro do Governo, insistindo na tecla das vantagens que os trabalhadores do público já têm sobre todos os outros – no que toca à média salarial, à segurança no emprego e ao sistema de saúde. “Vamos continuar a tratar de forma diferente o que é diferente, e a equidade é isso mesmo”, acrescenta a mesma fonte.

Será que houve algum governo que tivesse esmiuçado mais o conceito de igualdade do que este? Leia o resto deste artigo »

Filed under: Ética, Política, Prontuário da Crise

O Antipopulismo é o novo Populismo

A descrença neste governo já é tanta que começam a dar pena os esforços de quem ainda o tenta levar a sério.

Esta semana, por exemplo, Passos sai-se com a bojarda do “que se lixem as eleições”, cuja interpretação mais óbvia é que as suas políticas não são populistas, que está a sacrificar as hipóteses de reeleição em nome dos interesses do País, que ignorando os desejos imediatos da grande maioria da população, Portugal terá um futuro sustentável.

Leia o resto deste artigo »

Filed under: Crítica, Cultura, Política, Prontuário da Crise

Pobreza Gourmet

Uma tendência para a qual vou tendo cada vez menos paciência: versões “design”, “urbanas” e “gourmet” de alimentos, objectos ou modelos de negócio, sobretudo quando se articulam entre si numa espécie de gramática pretensiosa: “Água-pé gourmet” servida em “malgas design” numa “tasca urbana”.

É a melhor representação da austeridade enquanto estética, uma celebração da pobreza e dos seus valores concebida por e para gente que nunca foi pobre e que muito claramente despreza a pobreza, que confunde passar fome com perder calorias, perder o emprego com uma oportunidade, voltar à aldeia com ir de férias.

 

Filed under: Crítica, Cultura, Design, Prontuário da Crise

Longo Curso

Mais outro post, só para dizer que estou vivo. E não, ainda não estou de férias, nem sei se vou estar. Ando a rever e fechar os últimos capítulos  de um projecto de longo curso que comecei há pouco mais de um ano, e sobre o qual espero poder dizer mais em breve.

Leia o resto deste artigo »

Filed under: Notícias Breves

No Estranho Mundo dos Juros Negativos

O que se diz aqui dos EUA podia ser dito da Alemanha. E muito devagarinho: que há gente disposta a pagar para emprestar dinheiro à Alemanha. Que por sua vez tem medo de se endividar (apesar de haver gente literalmente disposta a pagar-lhe  para se endividar). Se se endividasse mais, podia não ser tão austera e pagar mais salários. Aumentando os salários alemães, tornaria menos doloroso reduzir os custos dos salários portugueses 20 ou 30% face aos da Alemanha. Notem que nem se está a pedir que nos perdoem a dívida, apenas que gastem com eles próprios o dinheiro que muita gente lhes está a pagar para lhes emprestar.

Filed under: Economia, Prontuário da Crise

A Aldeia Nacional

Desde o “apagão” que a minha fonte de notícias são os jornais, consumidos de preferência no iPad. Só vejo telejornais nos ecrãs do ginásio ou no café, quase sempre sem som. Prefiro ler as notícias a ouvi-las ou vê-las. Menos histeria e mais reflexão, mais contexto, ou seja: mais informação. Quando venho a casa dos meus pais, a dose de Tv Cabo só me confirma a preferência.
Leia o resto deste artigo »

Filed under: Linguagem, Não é bem design, mas..., Política, Prontuário da Crise

Comissariado & Crime

A ver na RTP Memória Alexandre Melo, Clara Ferreira Alves e – acho eu – Edson Athayde a falarem sobre crítica em 1997. Melo com um grande blazer enchumaçado e camisa abotoada até cima sem gravata. Tudo em tons saturados. Perguntam-lhe como se torna conhecido um artista. Fala de galeristas, de compradores, do mercado, de como o crítico nem tem assim tanta importância. Espero um pouco e nada. Voltam a falar do mercado e dos galeristas. Outra vez dos críticos. Mas nada de comissários. Não se falava disso em 97.
Leia o resto deste artigo »

Filed under: Arte, Autoria, Crítica, Cultura, Design

Porque sim

Se há coisa que ainda me enerva no discurso sobre design é a insistência naquelas receitas que se fazem sem perceber bem porquê, sem pensar muito nelas: deve-se falar assim com certo cliente, deve-se tratar o texto assado, nunca mostrar mais de três soluções, deixar passar um dia antes de responder. Certezas avulsas, que é como quem diz superstições, mezinhas comportamentais, disponíveis na secção de auto-ajuda, perdão, de gestão, da Fnac. Às vezes, ainda se encontra alguma sensatez incrustada nesta nova sabedoria popular; o mais provável é que a região do nosso cérebro dedicada à apreciação de um bom provérbio ou de uma dose de chá da videira esteja a precisar de mimos antes de pôr o resto das regiões a dormir uma sesta por causa do calor. Compreende-se que os alunos, enquanto aprendem, precisem dessas certezas, mas se aprenderem realmente alguma coisa é que não há realmente certezas.

Filed under: Design

“Finanças Sãs e suas Consequências”

(via Miguel Soares no facebook, originalmente daqui)

Um artigo e uma foto publicados aqui há quase um ano mas que ainda não perderam a actualidade. Sobretudo quando o governo se congratula do sucesso das exportações, o primeiro desde 1943:

Na foto de Mário Novais, um arranjo cenográfico imponente na exposição de Paris de 1937 a mostrar o equilíbrio das contas públicas conseguido por Salazar. O título do gráfico “Portugal País Equilibrado: Finanças Sãs e suas Consequências”, apoiado pela montagem fotográfica de soldados, marinheiros e de jovens a fazerem a saudação fascista, dá a entender que a obsessão pela saúde das finanças e aquela coisa da ditadura se calhar até estão ligadas. Ainda assim, bela solução em relevo quase abstracto para os gráficos que ladeiam a tabela central.

Como bónus: mais uma demonstração da desonestidade intelectual daquela coisa “do vivemos acima dos nossos meios”.

Filed under: Crítica, Cultura, Exposições, Política, Prontuário da Crise

Todas as Manifestações são Ridículas

Professor Marcelo: “Eu disse que iam ser manifestações ridículas e foram manifestações ridículas. Esse tipo de manifestação – com o devido respeito pelos manifestantes que têm todo o direito em democracia de se manifestarem – já aconteceram [no passado] em casos pontuais, específicos. As pessoas independentemente de não gostarem do Governo ou dos ministros não vão fazer manifestações daquelas [que] são votadas ao insucesso”.

Leia o resto deste artigo »

Filed under: Crítica, Cultura, Não é bem design, mas..., Política, Prontuário da Crise

Redes Analógicas

Acho que ando a ler a biografia de Luiz Pacheco praticamente desde a semana em que foi lançada, avançando por ali adentro aos sacões, à medida da disponibilidade. Um capítulo, dez páginas, nada. A capa neste momento já é de um cinza quase militar e os cantos estão todos enrolados.

Leia o resto deste artigo »

Filed under: Crítica, Cultura, Design, Publicações

Os Novos Banqueiros Anarquistas

Num dos números da revista Contemporânea, em 1922, Fernando Pessoa publicou O Banqueiro Anarquista, um conto cujo interesse residia no paradoxo que começava logo no título, casando a respeitabilidade conservadora da banca à irresponsabilidade destrutiva da anarquia, associada no texto às bombas e aos sindicatos.

A história tinha a forma de um diálogo entre o narrador e um anarquista tornado banqueiro, que garantia não se ter tornado banqueiro por ter esquecido os seus princípios anarquistas mas por os ter seguido até às últimas consequências. Se o objectivo da anarquia era a libertação das “ficções sociais”, ele tinha conseguido libertar-se a ele mesmo. Se os outros quisessem ou não seguir o seu exemplo, era com eles.

Leia o resto deste artigo »

Filed under: Ética, Crítica, Cultura, Economia, Náo é Ilegal, Política, Prontuário da Crise

“Não vou comentar mas…”

Só um apontamento rápido para comentar a reacção de Paulo Portas à decisão do Tribunal de Contas Constitucional. Curiosamente, Portas começa por dizer que não comenta, para de seguida a comentar. Depois diz: “Não será comigo que Portugal vai diabolizar a função pública”, para logo de seguida acrescentar: “Temos de saber e entender que, se o problema de Portugal é défice do Estado, não é justo pretender que o sector privado tem a mesma responsabilidade de ajudar” – o que equivale a culpar a função pública pela crise. Pergunto-me o que diria ele, se quisesse diabolizá-la. Leia o resto deste artigo »

Filed under: Design, Economia, Política, Prontuário da Crise

Abundância em Tempo de Crise

Ainda não estou de férias. As aulas terminaram e as avaliações também. Faltam ainda relatórios, mas já é possível dedicar mais atenção a outras coisas.

Neste momento, termino alguns projectos de longo curso, dos quais ainda não posso falar, o que significa passar boa parte do dia a escrever, aproveitando o balanço que sobra para actualizar o blog.

Leia o resto deste artigo »

Filed under: Crítica, Cultura, Design, Ensino, Não é bem design, mas...

“Fui neles formado, é a partir deles que ensino e continuarei a ensinar.”

No Público Ípsilon de hoje, lá para o fim, um artigo de opinião do historiador Diogo Ramada Curto sobre os problemas e as distorções que a moda do paper académico em inglês levanta. Chama-se “O Livro: Contra a Corrente?” e vale a pena ser lido (não sei se o link é só para assinantes). Já me queixei por aqui das mesmas coisas, usando outros argumentos.

Ramada Curto refere (e prefere) a centralidade do livro, da sua escrita e da sua leitura, à fragmentação do paper e da busca numa base de dados. Eu acrescentaria que para dar uma cadeira, especialmente mas não apenas se for teórica, não basta somar aulas, sobretudo se forem dadas por convidados, cortando e colando conteúdos sem lhes dar um tratamento de fundo. A cada cadeira deveria corresponder de facto um livro ou (pelo menos, pelo menos) a investigação que a ele leva. Neste momento, pela multiplicação das cadeiras e dos alunos, esse rigor torna-se praticamente impossível.

Leia o resto deste artigo »

Filed under: Burocracia, Crítica, Cultura, Ensino

Origens da Crise Portuguesa: Bibliografia Concisa

Para referência futura ficam aqui três programas de televisão mais um livro que, no seu conjunto, explicam bastante bem qual é o problema mais grave de Portugal. Leia o resto deste artigo »

Filed under: Economia, Política, Prontuário da Crise

Relvas a Ministro, já!

Lamento, mas não vou à manifestação pela demissão de Relvas.

Não porque acredite que Relvas tenha qualquer condição para cumprir o seu cargo com dignidade, mas precisamente porque não tem. É que o Ministro não foi reduzido a uma anedota: foi aumentado a uma anedota. Rivaliza neste momento com o Bocage e o Evaristo no panteão nacional do riso. Deviam propô-lo já, preventivamente, a património imaterial da Unesco, antes que alguém dê cabo dele.

Leia o resto deste artigo »

Filed under: Não é bem design, mas..., Política, Prontuário da Crise

O Toque do Poder

Há uns textos atrás, quando defendi que Joana Vasconcelos era a melhor opção possível para representar o nosso país e sobretudo o nosso governo, não estava com toda a certeza a fazer-lhe um elogio, nem ao governo que a escolheu.

Comentei na altura que o modo como foi escolhida, ignorando ostensivamente os interesses de uma classe, é um bom exemplo da metodologia favorita do executivo, que se dedica a ignorar, igualmente e com todo o brio, professores, médicos, etc.

Leia o resto deste artigo »

Filed under: Arte, Crítica, Cultura, Design, Política, Prontuário da Crise

Mário Moura

Mário Moura, blogger, conferencista, crítico. Escreve no blogue ressabiator.wordpress.com. Parte dos seus textos foram recolhidos no livro Design em Tempos de Crise (Braço de Ferro, 2009). A sua tese de doutoramento trata da autoria no design.

Dá aulas na FBAUP (História e Crítica do Design Tipografia, Edição) e pertence ao Centro de Investigação i2ads.

História Universal do: Estágio

O "Estágio"
O Negócio Perfeito
Maus Empregos
Trabalho a Sério
Design & Desilusão
"Fatalismo ou quê?"
Liberal, irreal, social
Conformismo
Juventude em Marcha
A Eterna Juventude
Indústrias Familiares
Papá, De Onde Vêm os Designers?
Geração Espontânea
O Parlamento das Cantigas
Soluções...

História Universal dos: Zombies

Zombies Capitalistas do Espaço Sideral
Vampiros, Zombies, Classe Média

Comentários

Comentários fora de tópico, violentos, incompreensíveis ou insultuosos serão sumariamente apagados.

Arquivos

Categorias