The Ressabiator

Ícone

Se não podes pô-los a pensar uma vez, podes pô-los a pensar duas vezes

Pastelaria Moderna

Ontem, à volta para Lisboa vindos de Tavira, parámos para lanchar na pastelaria Luiz da Rocha no centro de Beja, centenária mas que deve ter sido remodelada mais ou menos a meio do século XX. Sente-se um modernismo semelhante ao da Cunha no Porto: de ferro, vidro e madeira, mas tornado elegante pela simples repetição de formas e combinação de texturas. Os mesmos materiais que podiam ter sido usados para fazer uma tasca são empregues para criar modernidade, apenas pela forma como são combinados – que é como quem diz: pelo seu design. É essa a lição mais profunda da gestalt: ritmo, textura, sobreposição e justaposição, estratégias elementares para fazer da matéria mais básica uma coisa nova.

Anúncios

Filed under: Arquitectura, Crítica, Cultura, Design, História

One Response

  1. […] ainda por encadernar). A fotografia da capa do primeiro volume é, para mim, uma das preferidas do modernismo português: enquadramento, textura e ritmo. Tão […]

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Arquivos

Comentários Recentes

Lia Ferreira em Por um lado
Jose Mateus em Censura em Serralves
L. em Lisboa Cidade Triste e Al…
Mário Moura em Livro
João Sobral em Livro

Arquivos

Categorias

%d bloggers like this: