The Ressabiator

Ícone

Se não podes pô-los a pensar uma vez, podes pô-los a pensar duas vezes

Moderação Moderada (com Update)

20120825-155230.jpg

1. Hoje, com o Expresso, saiu o capítulo dedicado a Salazar da história de Portugal organizada por Rui Ramos. Só não li a parte dedicada ao império colonial, porque não inclui ainda a guerra, que deve sair no próximo fascículo. Posso assim ter uma opinião mais rigorosa da polémica que opõe Manuel Loff e Rui Ramos.

Essencialmente, Loff acusa Ramos de relativizar o Estado Novo, apresentando Salazar como um moderado, e desvalorizando o alcance da sua repressão. Não se trata de negar a existência da ditadura, da censura ou da repressão violenta, apenas de afirmar que foram moderadas. Mas, para algumas pessoas, a expressão “ditadura moderada” será sempre uma contradição – quando deixa uma ditadura de ser moderada? Uma morte, duas, mil, um milhão?

Para Ramos, a moderação de Salazar demonstra-se por comparação com Hitler, Mussolini ou Rolão Preto. Porém, se uma montanha é mais baixa do que outra, não significa que, por comparação seja um vale.

2. Curiosamente, Loff começou a sua série de artigos reconhecendo a importância de Rui Ramos, justificando até por isso a necessidade de lhe opor uma crítica. Do lado de comentadores como José Manuel Fernandes ou de Helena Matos, pelo contrário, Loff nem chega a ser historiador suficiente para falar sobre história. Nem se trata tanto de discutir os seus argumentos como de pôr em causa a simples possibilidade de os exprimir. O mesmo descrédito foi metralhado sobre quem se atrevesse a discordar com Ramos publicamente (como Pedro Rolo Duarte), por exemplo.

Uma história ou uma opinião deve ser julgada em última instância pelos seus próprios méritos. A credibilidade de quem a defende não lhe garante a verdade. O maior especialista pode enganar-se; o mentiroso mais descarado pode estar a dizer a verdade. Ainda assim, é de notar a “moderação” dos defensores deste Salazar moderado.

3. (Update) Relendo os dois pontos anteriores, percebi que se calhar é melhor dizer o que queria dizer de modo mais directo: lendo finalmente a história de Ramos e confrontando-a com o texto de Loff e a resposta de Ramos a este, verifico que:

a) A crítica de Loff é justa. Rui Ramos apresenta realmente uma imagem de Salazar como moderado, relativizando as características mais violentas e repressivas do regime.

b) Rui Ramos não respondeu às críticas que lhe foram feitas por Loff, mas a uma versão exagerada das mesmas, dando uma imagem distorcida do opositor e dos seus pontos de vista.

Filed under: Design

5 Responses

  1. maria diz:

    A história de portugal .. ha quem a saiba ensinar.
    E quem não a consiga . . ups perceber.
    Deve ser comum.. pensava que era e sou um .

  2. maria diz:

    Este mundo vendeu os seus filhos por eles.

  3. Maria diz:

    peso a politica, que a leve quem a queira.
    e quem nao a quiser ta mal.

  4. Maria diz:

    peso e politica, que a leve quem a queira.
    e quem nao a quiser ta mal.

  5. […] pode enganar-se; o mentiroso mais descarado pode estar a dizer a verdade.» Mário Moura, em Ressabiator, […]

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Arquivos

Arquivos

Categorias

%d bloggers like this: