The Ressabiator

Ícone

Se não podes pô-los a pensar uma vez, podes pô-los a pensar duas vezes

Primavera da Treta

Às vezes, no meio da treta nasce uma flor.

Quando o Governo começou a pôr em prática a sua Austeridade, aumentando impostos, eliminando directa ou indirectamente postos de trabalho, muita gente protestou, mobilizando-se em manifestações bem recheadas, por vezes tensas, com jornalistas espancados e manifestantes presos.

Foi-se percebendo que interessava ao Governo passar a imagem lá para fora de uma população que, com uma ou outra excepção, não gostava dos sacrifícios mas, não lhes vendo alternativa, os acatava. Amarfanhou-se a indignação com o conformismo e o medo, e apresentou-se o resultado como resignação: os portugueses tinham tomado a decisão de acatar o remédio azedo que lhes era imposto.

Era uma treta, claro; uma construção do marketing político. Se habitualmente se procura construir a imagem de um candidato, neste caso tratava-se de reconstruir a imagem de um povo.

Nada de novo, até aqui. Ao longo das duas últimas décadas, por exemplo, insistiu-se na imagem de uma população deslumbrada, irresponsável, vivendo acima dos seus meios, procurando uma segurança cómoda através do endividamento, seu e privado (no caso de querer uma casita), nosso e público (se trabalhava para o Estado).

Era uma generalização tosca, um preconceito, que servia para deslocar a culpa dos grandes interesses para o cidadão comum.

Em Portugal, a relação dos governante com os governados oscila quase sempre entre a condescendência e o desprezo puro e simples, com um momento central de indiferença. Há sempre uma distância, um preconceito, pontuados por doses alternadas e vigorosas de cenoura e de varapau.

Neste caso, a cenoura começou por ser a Europa, o Euro, o Investimento, a Inovação, o Ensino Superior Público. O varapau começou por ser a Culpa. Mais tarde, a Austeridade. E, finalmente, os Sacrifícios. Tudo pontuado com doses cada vez mais económicas de cenoura. Nada de substancial, apenas elogios vagos. Que os portugueses tinham aceite o castigo; que o acatavam com resignação; que estavam a cumprir.

E foi nesta admissão simples, insincera, governamental, de que os portugueses podiam cumprir alguma coisa, que nasceu a tal flor. Nunca nenhum governo tinha conseguido convencer os portugueses que podiam ser responsáveis e cumpridores. Neste caso, a treta não se dirigia aos portugueses, mas ao resto do mundo, porém o efeito secundário foi um movimento subtil da nossa identidade nacional.

Além de unir boa parte dos portugueses contra as suas acções, este governo deu-lhes sem querer, desastradamente, uma coisa nova, um dom (que eu não me lembro de ter visto por aqui antes): uma superioridade moral legítima, pública.

Filed under: Crítica, Cultura, Política, Prontuário da Crise

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Arquivos

Arquivos

Categorias

%d bloggers like this: