The Ressabiator

Ícone

Se não podes pô-los a pensar uma vez, podes pô-los a pensar duas vezes

Menos pão! Mais Impostos!

Mais do que tudo o que este governo fez até agora, é a “refundação” que me mete mais medo. Isolada é só mais um rebranding na longa linha de rebrandings com os quais o neoliberalismo foi sendo revestido em Portugal, camuflando sempre a sua agenda base – menos Estado, mais mercado. Mas, pelo seu efeito cumulativo, obsessivo, imparável arrisca-se a ser a gota que faz transbordar o copo. Não: arrisca-se a ser a gota que esvazia finalmente o copo.

Desde antes da crise financeira de 2008 que o neoliberalismo tem provocado boa parte dos problemas que afirma poder resolver quando finalmente lhe derem rédea solta. As PPPs, por exemplo, já eram o neoliberalismo a funcionar. Para os cépticos eram um copo meio vazio. Para os neoliberais, o copo só estava meio vazio porque ninguém os deixava acabarem de o esvaziar. E quando estiver vazio, a iniciativa privada encarregar-se-á de o encher (não acreditam?).

Desde que este Governo entrou em funções que aplica a fórmula: os problemas que provocaram aplicando parcialmente as suas convicções, só podem ser resolvidos aplicando-as ainda mais. Assim, para resolver uma crise provocada pela desregulação (menos Estado, mais mercado) inventou-se a austeridade, que caía principalmente sobre os funcionários públicos (menos Estado, mais mercado), e depois foi alargada a toda a gente com brutais aumentos de impostos, que já não servem para pagar serviços de Estado mas juros da dívida, no que é efectivamente uma privatização dos impostos (menos Estado, mais mercado). Finalmente, propõe-se o corte dos serviços públicos que o Estado ainda assegura para que estes novos impostos e serviços privados possam ser pagos com todo o à vontade (menos Estado, mais mercado).

Na primeira cena de um dos livros de Lewis Carroll,  uma manifestação “encomendada” exigia a dada altura menos pão e mais impostos. Na Inglaterra vitoriana seria nonsense, sem grandes dúvidas. Hoje em dia, seria o mais ortodoxo neoliberalismo.

Filed under: Crítica, Cultura, Economia, Política, Prontuário da Crise

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Arquivos

Arquivos

Categorias

%d bloggers like this: