The Ressabiator

Ícone

Se não podes pô-los a pensar uma vez, podes pô-los a pensar duas vezes

Crítica de Arte ou Crítica da Gestão da Arte?

Quando comecei a escrever o texto de ontem sobre curadoria, a minha intenção era usá-lo como ponto de partida para uma reflexão sobre a crítica de arte – a gripe, da qual ainda sinto os efeitos, não mo permitiu.

Recapitulando, eu argumentava que a “viragem curatorial”, não apenas da arte contemporânea mas da cultura em geral, seria uma monumentalização do “gestor enquanto autor”.

Concluía, especulando que uma crítica prática a uma “arte da gestão” teria de encontrar modelos colaborativos, não-hierárquicos de apresentar a experiência estética – o que não é particularmente difícil: há bastantes modelos históricos ou contemporâneos disponíveis deste género de práticas. O maior problema reside no simples facto de quase todas as instituições culturais serem incentivadas a organizarem-se de um modo hierárquico e empresarial – e não adianta expor objectos em contextos que os desautorizam.

Outro problema, menor, reside no facto de muita da crítica de arte com mais divulgação aqui em Portugal não o permitir – falo da crítica publicada em jornais, porque neste momento (tanto quanto sei) não há mais publicações periódicas sobre arte.

Não se trata de uma censura ou sequer de má vontade, mas de uma questão de formato. Num suplemento cultural, a crítica obedece quase sempre a dois ou três. Podemos encontrá-los todas as semanas no Ípsilon ou na Actual:

a) A recensão curta estrelada, um texto curto, entre o descritivo e o argumentativo, justificando ou simplesmente acompanhando uma nota (número, estrela, etc.)

b) O artigo de divulgação, mais longo, por vezes uma entrevista, em que se apresenta ou reapresenta um autor, um espaço ou um evento. Trata-se de um texto quase puramente jornalístico: é descritivo; se há alguma opinião, é a de terceiros, devidamente apresentada como uma citação.

c) O ensaio ou crónica, onde um escritor residente ou convidado disserta sobre um tema. Às vezes, trata-se da reapreciação de um objecto cujo consumo não é imediato – não é um livro lançado recentemente ou uma obra de arte que se possa visitar este mês. Porém, o tema mais comum destes textos, porque pertinente, é a política cultural, os avanços e recuos de financiamento, as nomeações, etc.

De entre estes formatos, a) é em geral o menos satisfatório, porque é o mais constrangido pelas necessidades de espaço. b) e c) são quase sempre os mais informativos. Não falam apenas de um autor, obra ou exposição, mas conseguem dar contexto, chegando até a falar de política cultural. Infelizmente, essa discussão económica e política reverte quase sempre para a instituição ou evento de média ou grande dimensão, que é nomeada e identificada recorrentemente – Serralves, Casa da Música, etc. enquanto os criadores individuais aparecem como figuras genéricas ou subordinadas às tais instituições de maior dimensão.

Ou seja: só se fala de política e economia efectiva numa escala relativamente grande, alheada do pequeno criador, cujas preocupações de financiamento ou representação política só surgem no âmbito de instituições de maior escala. Mais uma vez trata-se de valorizar a gestão acima da própria criação, assegurando as necessidades das instituições de maior escala.

Assim, mais uma vez não adianta produzir objectos em modelos colaborativos, não-hierárquicos, etc. porque serão apresentados num contexto que os desautoriza, arrumando-os dentro das necessidades de um contexto institucional considerado mais importante.

Anúncios

Filed under: Arte, Crítica, Cultura, curadoria, Política

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Arquivos

Arquivos

Categorias

%d bloggers like this: