The Ressabiator

Ícone

Se não podes pô-los a pensar uma vez, podes pô-los a pensar duas vezes

Marginalidade e Transgressão

Há sempre quem defenda que as artes devem ser marginais. Pessoalmente discordo. Acredito que, nos tempos que correm, devem ser transgressivas mas o menos marginais possível. O que quero dizer com isto? É simples: enquanto marginal significa exclusão voluntária ou involuntária, transgressão significa recusar ou ignorar barreiras, ser o mais móvel possível, recusar essa exclusão.

Dizer que a marginalidade garante liberdade e autonomia à cultura é um argumento confortável. Garante por um lado ao poder político que abandonar as artes à sua sorte, cortando-lhes o financiamento e o acesso  a recursos públicos até é um favor. Pelo lado dos artistas, dá-lhes uma ilusão romântica de autonomia, de agência, que na prática significa uma identidade que se auto-exclui da discussão pública. É uma marginalidade que não chateia ninguém, antes pelo contrário.

A transgressividade, pelo contrário, não se esconde nem se arruma. Recusa o lugar que lhe é destinado. Se está fora da discussão pública, reclama-a para si e para outros. Numa sociedade cada vez mais desigual, reclama a igualdade e a mobilidade.

É claro que isto não se aplica apenas às artes mas à própria identidade pública. A marginalização significa sobretudo não ter acesso fácil a essa identidade. A luta pelos direitos das mulheres, pelo casamento entre pessoas do mesmo sexo, pela integração de minorias é sempre transgressiva – o termo mais comum é “fracturante”. No fundo, trata-se de recusar a marginalidade imposta ou conformada.

Anúncios

Filed under: Crítica

One Response

  1. rawckee diz:

    por acaso ensinaram-me na faculdade que a marginalidade (no seu sentido literal – estar na margem) era uma característica do artista. foi argumentado na altura a observação de um ponto (quase) externo e eu proprio tenho uma citação ranheira do livro do desassossego que diz algo como “quem dança no canto do salao não dança sozinho. dança com toda a gente.”

    por outro lado sempre achei que a transgressão e afins eram demasiado juvenis e a recusa do lugar que nos destinaram entra um pouco nessa categoria mas cada vez mais acho que a autonomia não pode ter receio nem da marginalidade nem da transgressão, muitas vezes consequência uma da outra e sem ordem de aparição implícita.

    opções éticas à parte, o que me chateia é que nos dias que correm parece nao haver meio termo nem grandes hipóteses de o alcançar.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Arquivos

Arquivos

Categorias

%d bloggers like this: