The Ressabiator

Ícone

Se não podes pô-los a pensar uma vez, podes pô-los a pensar duas vezes

Burologia – não negue à partida uma ciência que já conhece demasiado bem

Cada cadeira vale x créditos. Completando cadeiras o aluno vai acumulando créditos. Alcançando um certo número de créditos, fica-se com o grau. A ideia do crédito é facilitar a mobilidade dos alunos entre cursos e entre países. É uma unidade monetária que permite pôr numa escala comum cadeiras de arte, de medicina, de direito, etc. Sabendo isto, percebe-se que se trata de refazer o ensino superior à imagem de um mercado e portanto uma ideia próxima das crenças neo/ordo/ultra/etc/liberais. O crédito de Bolonha é o equivalente académico ao Euro e isso bastaria para pensar duas vezes sobre este sistema.

Por exemplo, a ideia que qualquer cadeira deve (idealmente) poder ser frequentada por um aluno vindo de qualquer outro curso, vai tornando as cadeiras em unidades modulares, cada vez mais rápidas e autocontidas, sem espaço para aprofundar matérias ou fazer projectos de longa duração. Mesmo que numa cadeira se tenha tempo para isso, há sempre outras tantas cadeiras de ritmo rápido que sugam a energia aos alunos.

E, como tudo dentro da esfera da neo/ordo/ultra/etc/liberalidade, a promessa de liberdade individual derivada da autoregulação do sistema, traduz-se em a) Miguéis Relvas, casos onde a possibilidade de trocar tudo por créditos, inerente ao sistema, atropela justiça, ética e moralidade, b) uma situação onde a administração do sistema, das equivalências, das notas, da burocracia envolvida, se torna cada vez mais na totalidade do sistema, controlando tudo e todos.

Se já houve alturas em que a avaliação se destinava a aferir a qualidade do trabalho produzido, neste momento só se destina a acelerá-lo (é preciso dar vazão), verificando se o aluno e os docentes estão a fazer qualquer coisa. Isso é particularmente óbvio nos doutoramentos, que já foram oportunidades para fazer investigação de fundo, e agora se tornaram num Monstro-de-Frankenstein final de papers, relatórios e avaliações preliminares, cosido à pressa e com o estofo a ver-se.

Seria útil repensar Bolonha, em parte porque funciona cada vez menos, na proporção inversa do trabalho e do tempo que se atira para dentro do sistema. Em parte, porque foi feito em troca da promessa de mais financiamento, e isso como é evidente não aconteceu.

Contudo, o sistema gera e premeia a conformidade burocrática. Se perguntamos qual é a fundação de uma norma, dizem-nos que veio da reitoria ou do ministério e que é assim para todas as faculdades. Se tentamos saber qual a sua fundamentação científica ou simplesmente argumentativa ninguém nos sabe responder, nem de onde vem, nem porque razão, nem para quê – o que importa é cumprir.

E tudo isto enquanto se invoca a ciência a torto e a direito. Seria mais honesto se o rótulo do  iogurte informasse do que está realmente lá dentro; assim proponho que onde se escrevia “ciência” se passe a escrever “burologia” – a ciência que estuda a burocracia, pois claro.

Anúncios

Filed under: Crítica

2 Responses

  1. Corrector Ortográfico diz:

    “informasse” e não “informa-se”

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Arquivos

Arquivos

Categorias

%d bloggers like this: