The Ressabiator

Ícone

Se não podes pô-los a pensar uma vez, podes pô-los a pensar duas vezes

A gozar, a gozar, já acertei em mais previsões do que o Gaspar (não é difícil, eu sei)

Há quase dois anos, quando a barragem do Tua pôs em risco o estatuto patrimonial daquela região, o então Secretário de Estado Francisco José Viegas teve a ideia – vamos chamar-lhe isso – de convidar o arquitecto Souto Moura para projectar a barragem, acrescentando que se ia “pigmentá-la” para diminuir o seu impacto. Na altura comentei no Facebook:

“Enterra-se os cabos, chama-se o Souto Moura e pigmenta-se a barragem. Sugiro um padrão de camuflado à comando ou então uma daquelas pinturas a imitarem uma estrada que apareciam no Coyotte e no Papaléguas. Ou então chamem a Paula Rego ou a Joana Vasconcelos para lhe pendurarem uma alheira gigante feita de declarações de impostos. Ou coisa assim.”

Também brinquei que ainda iam chamar Cabrita Reis para a pigmentação e nem quinze dias depois soube que ele já estava a tratar do assunto. Dois anos depois, a Joana Vasconcelos junta-se à festa. E não devia ser surpresa nenhuma: em mais do que uma ocasião já tinha dito que a cultura das barragens e a Joana Vasconcelos eram efeito de uma mesma arte de regime (e ainda o fiz nos seminários Unipop).

E, já agora, roteiros de “arte pública”? Tenham é juízo.

Anúncios

Filed under: Crítica

2 Responses

  1. chicobabo diz:

    Ou então é para a fotografia:

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Arquivos

Arquivos

Categorias

%d bloggers like this: