The Ressabiator

Ícone

Se não podes pô-los a pensar uma vez, podes pô-los a pensar duas vezes

Diálogos ou coisa do género

20130923-140210.jpg

São mupis e capas de brochuras sem qualquer imagem, puramente tipográficos. Apresentam aforismos curtos em inglês e em português: “A Cidade é tua”, “Less No!”, “Tactics not Systems”, etc. Em baixo, o slogan do evento “Close, Closer.”

Não se anunciam eventos, datas ou sítios. Não há nada que nos esclareça. Não se divulga ou anuncia o conteúdo do evento, apenas o seu teor, a sua identidade. Quase só se marca um território (neste caso Lisboa) e uma duração. Habitualmente, não seria preciso muito mais – uma trienal não é propriamente o tipo de evento que apanha o seu público pela calada.

As frases são vagas e bem intencionadas. Não fosse a brancura do fundo ou a ausência de três ou quatro candidatos sorridentes, até podiam passar por propaganda autárquica. Quando as li pela primeira vez, pensei que eram apenas exemplos de bienalês – um jargão curto e esperançoso, afinado para não hostilizar ninguém. Estava quase enganado: na verdade, são respostas do público a perguntas apresentadas no site da trienal (“Que perguntas deve a arquitectura perguntar?”, “Quando começa a arquitectura?”, etc.) As respostas vão-se acumulando no site como um padrão de fundo. Algumas foram seleccionadas pelos curadores para ilustrarem a divulgação do evento.

É participativo, sim, é a voz do público, sim, mas aparada das perguntas que a motivaram, tornada oracular pelo processo expedito de lhe amputar parte do sentido – o que nos é apresentado é um diálogo partido ao meio, uma opção curiosa num evento virado mais para o público em geral do que para a comunidade dos arquitectos.

Através destas respostas transformadas em aforismos pela escolha de um comissário está-se a mostrar que esta não é uma trienal sobre arquitectura mas uma trienal sobre comissariado de arquitectura, o que é plenamente confirmado quando se visita os diversos eventos: uma exposição comissariada onde se convidam instituições para comissariar eventos comissariados; o género de refeição que se costuma descrever como sendo comissariada; etc.

E mostra-se também uma tendência um pouco irritante do comissariado actual: não fala, não tem opinião, mas procura dar condições ao público para que fale e tenha a sua própria opinião. Mas como estes diálogos truncados demonstram, é bastante difícil ter uma opinião sobre algo que prefere não se definir. O que fica são fragmentos de opinião reduzidos a decoração.

Anúncios

Filed under: Crítica

2 Responses

  1. […] leitores contactaram-me a propósito de alguns pontos em relação ao texto de ontem sobre a imagem gráfica da […]

  2. […] convite do Francisco Laranjo, publico no site Modes of Criticism uma versão ampliada deste texto sobre a identidade da Trienal de Arquitectura que agora […]

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Arquivos

Arquivos

Categorias

%d bloggers like this: