The Ressabiator

Ícone

Se não podes pô-los a pensar uma vez, podes pô-los a pensar duas vezes

Ebulição

Esta fervura toda à volta da nova imagem gráfica do Porto pôs-me a pensar na nova imagem do Porto em geral. Rui Moreira já é presidente há um ano com Paulo Cunha e Silva como vereador da cultura e sim, dá a sensação que as coisas melhoraram. Tive-a com a feira do livro, cheia de gente, com pequenas editoras, concertos, etc. Com o ciclo Cultura em Revolução, parte das comemorações dos 40 anos do 25 de Abril (no qual participei). Mas talvez o exemplo mais marcante tenha sido a criação da Agenda do Cinema Independente.

No Porto, dava a sensação que o cinema tinha desaparecido. Todas as salas foram fechando. A projecção regular fora dos centros comerciais dos arredores acabou. Não terá sido por culpa da câmara de Rui Rio, excepto claro naquele velho dogma dos neoliberais austeritários, que o Estado (incluindo o poder local) não tem nada que regular. Parte dessa regulação implica tentar conservar formas de cultura em vias de extinção. Pode ser que, mesmo assim, a longo prazo morram, mas pelo menos houve uma transição suave, não a sensação de um esvaziamento total.

Em nome da inovação cortaram-se os fundos, os apoios e a paciência. Porém, não se pode dizer que a cultura tenha morrido no Porto, antes pelo contrário. Os espaços e iniciativas de pequena dimensão multiplicaram-se a par com mega eventos de carros, de aviões e de Serralves. Também isto é o resultado da tal desregulação. Da nova facilidade, por exemplo, de converter uma casa num hostel, num restaurantezito gurmê ou numa galeria/restaurante/hostel. O problema é que, sem regulação, as coisas tendem a extremar-se no eixo vertical: as coisas grandes ficam maiores; as coisas pequenas continuam pequenas e frágeis, desaparecendo com um sopro. Aparece logo outra e quase nem se nota, e é esse o problema no eixo horizontal: é tudo muito inovador mas a verdade é que, tirando o nome e o logo, é tudo igual. As mesmas ideias de restaurantes, de dormidas, de transportes e de arte surgem lado a lado na mesma rua e no P3 com mais entusiasmo e fanfarra que uma cura para a Sida.

Daí que não espanta que a feira do livro tenha funcionado. No fundo, forneceu uma plataforma acessível para que pequenas livrarias e editoras se concentrassem a par com as maiores. Do mesmo modo, a Agenda de Cinema limita-se a criar um mapa para pequenas iniciativas isoladas entre si, correndo muitas vezes ao mesmo tempo e quase no mesmo sítio, sem que os seus organizadores se apercebessem. Essa tarefa simples de informar já tinha sido abandonada pelos jornais há muito, por culpa do mesmíssimo neoliberalismo – cortes, despedimentos, notícias em lata. A câmara também tinha desistido de o fazer.

Mas, ao fazer scroll na Agenda (que tem o tique irritante de saltar sempre para o começo de um dia quando parámos demasiado tempo) não consegui deixar de pensar: bolas, descemos tão baixo, que mesmo isto, uma agenda, já nos parece um milagre. E aí instala-se a dúvida: será que estamos mesmo a melhorar? É um dos problemas maiores da austeridade, que Paul Krugman ilustra com uma piada dos Três Estarolas. Um deles está a bater violentamente com a cabeça contra uma parede. Boom. Boom. Boom. O outro pergunta-lhe, Mas porque estás a fazer isso? Não te dói? Sim, responde, mas sabe tão bem quando paro!

Não sei se estamos a melhorar ou se estamos só a parar de bater com a cabeça na parede. Enquanto se anuncia a nova imagem de milhares de euros, os estúdios de design fecham e emigram em massa. As histórias de grandes iniciativas onde muitos dos intervenientes não são pagos multiplicam-se, não apenas na câmara mas em Serralves, etc. A cultura costuma ser sinal de uma economia fervilhante. Neste momento, fervilha mas não se vê o dinheiro a aparecer. E mantém-se a fervura, queimando as últimas palhinhas na esperança que o fogo pegue. Mas e se não pega?

Anúncios

Filed under: Crítica

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Arquivos

Arquivos

Categorias

%d bloggers like this: