The Ressabiator

Ícone

Se não podes pô-los a pensar uma vez, podes pô-los a pensar duas vezes

Crítica

Gosto cada vez mais de escrever sobre arte. Tal como acontece com o design, tento não o fazer do ponto de vista dos artistas ou comissários, mas do público. Não acho que a crítica deva falar sobre a obra mas ensaiar um discurso público sobre ela. Para mim, o crítico ideal é sempre uma tentativa de representar a figura do público. Agora que nas grandes instituições se reduz essa figura a um número, uma espécie de átomo sem nada que o qualifique, que diga se gostou ou não, e como, um mero visitante, parece-me inevitável que a crítica se torne residual.

Também me parece importante que a crítica recuse as fronteiras da obra, que ponha em causa mesmo aquelas que são apresentadas pelos velhos autores – os artistas – e os novos – os comissários. Escolher o enquadramento, isolar as obras da tradição e perguntar qual o sentido dela aqui e agora. Ou então o oposto: denunciar a inovação não porque já tenha sido feita mas porque não se parece com nada.

Advertisements

Filed under: Crítica

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Arquivos

Arquivos

Categorias

%d bloggers like this: