The Ressabiator

Ícone

Se não podes pô-los a pensar uma vez, podes pô-los a pensar duas vezes

1001 Noites

Fui ver as Mil e Uma Noites (o primeiro filme da trilogia de Miguel Gomes) ontem e com um pouco de medo que não fosse assim tão bom como se dizia. Podia ser só inchaço mediático. Mas não. É melhor do que o Tabu e até do que Aquele Querido Mês de Agosto – do qual já tinha gostado muito. Saí de lá comovido e animado.

Há aquela música mais conhecida dos Smiths que põe toda a gente a cantar o refrão “Hang the DJ! Hang the DJ! Hang the DJ!” e toda a gente se esquece da razão de ser daquela ameaça de morte ao pobre do DJ, que foge pelas ruas de Londres, Birmingham e Leeds, Carlisle, Dublin, Dundee, Humberside, tal como Miguel Gomes pelas ruas e matas de Viana do Castelo: “Because the music that they constantly play/ It Says Nothing To Me About My Life.” Gomes foge porque é difícil fazer filmes sobre a realidade em bruto, agarrar naquela coisa sobre a qual ainda não há livros, música, arte ou filmes e transformá-la em histórias. Só quando é apanhado e em risco de vida, enterrado até ao pescoço em areia, é que se resolve a salvar a vida contando histórias – todo o filme é sobre salvar a vida contando histórias, que se desdobram em historias e em mais histórias, todas de vida ou morte.

O que mais gostei do filme é que já só por mau hábito, por preguiça, se pode dizer ainda que anda entre o documentário e a ficção – um chavão com que se tem classificado mal muito do melhor cinema português, em particular o de Gomes. Acho que já não há documentário nenhum, apenas histórias onde às vezes os personagens e os factos são reais. Talvez ainda fosse assim com o Querido Mês de Agosto, mas um dos efeitos da crise foi uma erosão do lado documental do cinema português. Tudo ficou mais lírico, mais estranho. Contam-se histórias para salvar a vida – e também por respeito. Quando o sindicalista com problemas do coração entrevista candidatos ao Banho dos Magníficos, ele trata os desempregados que lhe vêm contar as suas histórias como se fossem exploradores quinhentistas. Todos aqueles relatos de perda, de pobreza, de revolta, revelam-se subitamente como épicos sem perderem nada da sua tristeza ou tragédia – é um momento que nunca poderia existir num simples documentário.

É essa recusa de reduzir o que se filma a um mero documento, interpondo-lhe uma ficção, uma voz, que tem marcado o melhor cinema português depois da crise. Antes, faziam-se coisas que por vezes caíam no turismo social, no erro de procurar autenticidade nas aldeias ou nos bairros sociais; agora, vai-se lá procurar ficções que não poderiam existir em mais sítio nenhum. Contra as mentiras oficiais de sucesso, empreendedorismo, inovação, austeridade, pieguice, disfarçadas de realidade com números, orçamentos e estatísticas, atiram-se estas ficções que as desmontam melhor que uma simples denúncia. É recusar que contem histórias por nós, onde nos reduzem constantemente a nada. Com tanto telejornal e reality show, o documentátio foi-se tornando numa maneira expedita de processar a realidade tornando-a em mercadoria. O antídoto é contar histórias, criar mitologias, fazer um épico daquilo que nos insistem não ser nada.

É isso que vejo também no Cavalo Dinheiro de Costa e no magnífico E Agora? Lembra-me de Joaquim Pinto – este último um caso extremo, onde há uma recusa completa de reduzir o que se filma (o próprio realizador/personagem) a um objecto documental: alguém que se percebe ser da classe média, urbana, ligada à cultura, mas que vive também uma existência extrema, de doença, de exclusão, onde a crise se parece focar como o sol através de uma lupa sobre uma formiga. Tudo no novo cinema português se torna ficção, sem se tornar mentiroso por isso.

Filed under: Crítica

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Arquivos

Comentários Recentes

Mário Moura em Occidente, 1889
Augusto José em Occidente, 1889
Francisco Choupina em No Terraço
Marco em Onde
Candeias em Boletins

Arquivos

Categorias

%d bloggers like this: