The Ressabiator

Ícone

Se não podes pô-los a pensar uma vez, podes pô-los a pensar duas vezes

A Angústia de Harold Bloom

Morreu há dias o Harold Bloom.

Conheci-o (salvo erro) através de um artigo n’O Independente. Descrevia uma figura fascinante, capaz de ler três livros por dia e uma irritação constante contra feministas, estudos culturais e marxistas, aquilo que ele chamava a escola do ressentimento.

O ai jesus de Bloom era o cânone ocidental. A sua convicção no dito cânone era hipnótica. Dediquei-me a ler os livros que propunha, que eram realmente bons. Levei uns anos a perceber que os critérios com que justificava a sua lista não eram particularmente interessantes.

Operava a crítica literária como uma espécie de misticismo, maledizendo tudo o que na literatura não era (para ele) literatura. Tirando isso não ficava nada de que valesse a pena falar. Shakespeare era, por exemplo, gabado por Bloom por conseguir falar do mundo inteiro, de todos os estados de alma e de todas as situações. Porém, no mesmo momento, defendia que a crítica literária séria estava interdita desse mesmo mundo inteiro, de boa parte dos estados de alma e da maioria das situações.

Talvez a maior contradição de Bloom seja a que motivava artigos como o do Independente: ao defender uma literatura alheia a considerações políticas, tornava-se numa arma perfeita a ser empregue por quem quer que queira fazer vingar uma agenda conservadora de direita. Bloom ganhou renome pelas suas posições políticas em favor de uma literatura ocidental.

A contribuição mais interessante de Bloom é a sua teoria da influência, que via a transmissão da tradição em literatura como uma luta constante de cada escritor com os escritores que o influenciavam.

Talvez o problema de Bloom seja não entender a crítica literária como uma luta semelhante, de críticos que tentam encontrar a sua voz respondendo a figuras tutelares de um cânone da crítica. (James Wood propõe esta ideia num obituário na New Yorker).

É perfeitamente possível imaginar vários cânones movendo-se em paralelo e com interesses distintos, competindo mas também colaborando, respondendo criativamente e reinterpretando-se uns aos outros. Aquilo que Bloom nomeava como a escola do ressentimento é neste momento bem mais estimulante do que insistir na literatura (ou cinema, ou arte) como uma espécie de forma vazia, isolado e (essa sim) ressentida contra tudo o que a ameace.

Filed under: Crítica

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Arquivos

Arquivos

Categorias

%d bloggers like this: