The Ressabiator

Ícone

Se não podes pô-los a pensar uma vez, podes pô-los a pensar duas vezes

Comissariado & Crime

A ver na RTP Memória Alexandre Melo, Clara Ferreira Alves e – acho eu – Edson Athayde a falarem sobre crítica em 1997. Melo com um grande blazer enchumaçado e camisa abotoada até cima sem gravata. Tudo em tons saturados. Perguntam-lhe como se torna conhecido um artista. Fala de galeristas, de compradores, do mercado, de como o crítico nem tem assim tanta importância. Espero um pouco e nada. Voltam a falar do mercado e dos galeristas. Outra vez dos críticos. Mas nada de comissários. Não se falava disso em 97.
Leia o resto deste artigo »

Anúncios

Filed under: Arte, Autoria, Crítica, Cultura, Design

O Toque do Poder

Há uns textos atrás, quando defendi que Joana Vasconcelos era a melhor opção possível para representar o nosso país e sobretudo o nosso governo, não estava com toda a certeza a fazer-lhe um elogio, nem ao governo que a escolheu.

Comentei na altura que o modo como foi escolhida, ignorando ostensivamente os interesses de uma classe, é um bom exemplo da metodologia favorita do executivo, que se dedica a ignorar, igualmente e com todo o brio, professores, médicos, etc.

Leia o resto deste artigo »

Filed under: Arte, Crítica, Cultura, Design, Política, Prontuário da Crise

Os Outros “Ismos” da Arte

Há uns tempos estava à espera do autocarro numa paragem do Porto, por volta das oito, calculo, porque estava a ficar escuro e a fila ia crescendo rapidamente. Vinte, trinta pessoas, umas a seguir às outras, junto ao passeio que era largo, algumas encostadas à parede. Estudantes de mochila e senhoras com sacos do Pingo Doce.

Leia o resto deste artigo »

Filed under: Arte, Crítica, Cultura, Política

A arte que merecemos

Até agora, não disse nada sobre a escolha de Joana Vasconcelos para representar Portugal em Veneza sobretudo porque me parece previsível e até adequada. Não porque aprecie o trabalho, que me deixa tão indiferente quanto possível, mas porque acaba por representar bastante bem o nosso país neste momento e em particular o nosso Governo, que a escolheu.

Leia o resto deste artigo »

Filed under: Arte, Crítica, Cultura

Primeiros, Segundos e Terceiros Ciclos Viciosos

Pela décima milionésima vez, ouvi mais alguém sentenciar que o problema do nosso ensino superior é o excesso de cursos, com excesso de alunos, condenados assim ao desemprego, e que, portanto, se deveria cortar os fundos às universidades, para elas encontrarem o seu próprio financiamento, mesmo sendo públicas. Mas como vão elas assegurar o seu próprio financiamento?

Em primeiro lugar, e em desespero de causa, arranjando mais alunos, através de turmas maiores e, se possível, mais cursos, mestrados, doutoramentos. Tudo isto sem contratarem mais gente e portanto sobrecarregando ainda mais o corpo docente, etc.

Leia o resto deste artigo »

Filed under: Arte, Crítica, Cultura, Economia, Ensino, Política, Prontuário da Crise

A Arte do Estado já não é o Estado da Arte

As intervenções culturais nas barragens do Douro já foram descritas algures como um “roteiro de arte pública”, designação curiosa pela sua ironia (talvez involuntária): afinal, trata-se de arte paga por uma empresa privatizada, feita numa zona que se arrisca a perder por causa disso o seu estatuto de Património da Humanidade, talvez o grau mais elevado de “interesse público”.

Em outras ocasiões já me queixei da infelicidade da expressão “arte pública”. Num momento em que a exploração predatória do que até há pouco tinha sido público é a ideologia dominante, a designação aplicar-se-ia com mais elegância a iniciativas como a Escola da Fontinha ou às pessoas que ainda insistem em manifestar as suas reivindicações em público, mesmo correndo o risco de serem multadas ou presas por isso. Talvez “Arte Recentemente Privatizada” fosse mais adequado. “Arte da privatização”?

Filed under: Arte, Política, Prontuário da Crise

Retrato do Artista e dos seus Mecenas Enquanto Patos Bravos

Graças a uma pergunta da plateia no final de uma conferência na Universidade do Algarve foi possível conhecer a reacção de Pedro Cabrita Reis às críticas negativas de que foi alvo a sua intervenção na barragem da Bemposta.

Leia o resto deste artigo »

Filed under: Arquitectura, Arte, Crítica, Cultura, Design, Prontuário da Crise, ,

A Mesita de Café

Nos intervalos e nas férias vou lendo a biografia de Luiz Pacheco, que é também um grande retrato das condições precárias em que ainda se produz cultura por aqui – sempre à custa de um segundo emprego ou das ligações de família e poder. Tentar uma terceira via, como Pacheco fez, implica pobreza, miséria e marginalização. Viver da caridade, às vezes à custa de ser o bobo da corte ou o bêbado da aldeia.

Leia o resto deste artigo »

Filed under: Arte, censura, Crítica, Cultura, Política

A anedota

No ambiente actual, até as coisas mais óbvias precisam de ser ditas e reditas, caso contrário habituamo-nos a elas. Portanto aqui vai: os sucessivos governos têm cortado os apoios às artes em grande medida porque estas são vistas como um luxo, uma coisa supérflua. É uma posição populista que não se belisca com a possível contradição de se continuar a apoiar as grandes instituições, a arte de grande escala, o empreendedorismo, tudo em geral luxuoso.* O que fica pelo caminho é a raia miúda das artes, que se auto-financia com empregos no ensino, nas grandes instituições, etc. A arte de pequena escala não desaparece mas continua a ser produzida a custo zero, em condições cada vez mais precárias e desautorizadas.

Leia o resto deste artigo »

Filed under: Arte, Crítica, Cultura, Design, Economia, Política, Prontuário da Crise

Inovação Pimba

Já o tinha dito por aqui umas tantas vezes, mas o que assusta nesta versão portuguesa da crise é o apagamento de umas tantas décadas de cultura, com gerações inteiras a voltarem ao mesmo tipo de negócios que os seus bisavôs e trisavôs: tascas, mercearias, artesanato, bibelôs, tudo adjectivado de “urbano”,  tudo com uma fina camada de design, com uma exposição de qualquer coisa pendurada a um canto, uma inauguração ou um djset de quando em quando. São o negócio e a cultura possíveis mas também uma espécie de desistência.

Leia o resto deste artigo »

Filed under: Arquitectura, Arte, Ética, Crítica, Cultura, Design, Economia, Estágios, Política, Prontuário da Crise

Como um peixe

Não é difícil perceber que o mundo da arte mudou drasticamente nos últimos anos, mais do que seria possível descrever num pequeno texto como este. Apareceram as indústrias criativas, cortaram-se apoios públicos, aumentou a quantidade de escolas e de alunos, etc. Mas uma das mudanças mais dramáticas, totais, é talvez a menos comentada, porque parece, neste momento, inevitável.

Leia o resto deste artigo »

Filed under: Arte, Crítica, Cultura, Economia, Política, Prontuário da Crise

“Fui à Espanha. À vinda para cá fiquei assustada.”

Atingimos um nível, neste país, que já não é possível contar uma piada sem que ela corra o risco de ser ultrapassada pela realidade nem quinze dias depois. A propósito da barragem a ser construída no Tua por Souto Moura e que Francisco José Viegas se propõe “pigmentar” como camuflagem para diminuir o seu impacto na paisagem protegida do Parque do Douro Internacional, escrevia eu:

“Imagino que convide um artista da nossa praça para a pigmentação, talvez um Cabrita Reis ou um José Pedro Croft que empilhem também umas lages de mármore, representativas da região (geólogos, se estão a ler isto, é uma piada, parem de gemer). E a intervenção não pode parar aí: convida-se um ensemble de música noise para disfarçar os estampidos da dinamite e um grupo de artes performativas vestido de amarelo para realizar um peça baseada nos movimentos rítmicos dos catrapilas. Podia-se fazer um festival de música alternativa chamado Milhões de Betões.”

Leia o resto deste artigo »

Filed under: Arte, Crítica, Cultura, Design

Para acabar de vez com as artes, cultura e o resto

Depois de ler uns tantos textos a defender ainda mais cortes na cultura, começa a não dar muita vontade de lhes responder, porque isso implica sempre um déficit pessoal, pensar em coisas nas quais não foi – muito obviamente – empregue grande pensamento.

São quase sempre asneiras mais ou menos genéricas que se podem resumir ao seguinte: porque deverá existir uma cultura se só consegue fazê-lo à custa de subsídios do dinheiro de todos nós? Há várias maneiras de responder a esta treta interessante questão.

Leia o resto deste artigo »

Filed under: Arte, Crítica, Cultura, Economia, Política, Prontuário da Crise

Só para lembrar

Só para lembrar que a minha próxima conferência na Culturgest será amanhã às seis e meia, e terá como ponto de partida o livro Pioneers of Modern Typography, de Herbert Spencer (Lund Humphries, 1969).

Leia o resto deste artigo »

Filed under: Arte, Conferências, Crítica, Cultura, Design, Publicações

2ª Conferência sobre Livros na Culturgest

A minha próxima conferência na Culturgest será deste Sábado a oito, dia dezassete às seis e meia, e terá como ponto de partida o livro Pioneers of Modern Typography, de Herbert Spencer (Lund Humphries, 1969).

Leia o resto deste artigo »

Filed under: Arte, Conferências, Crítica, Cultura, Design, Publicações

A Indústria Cultural do Atraso

Diz-se de Portugal que é um país atrasado, que se vai modernizando, mas o que quer isso dizer exactamente? Em, geral, que existem as chamadas economias avançadas e, atrás delas, ocupando os degraus cada vez mais curtos de um gráfico de barras, as que estão em vias de desenvolvimento.

É um esquema que dá a entender que entre os países há as vanguardas e depois os que vêem atrás, os atrasados, alunos melhores ou piores, que aprendem ou não com o exemplo que vem da frente. Sugere que há uma escala de progresso igual para toda a gente, ao longo da qual se pode subir e descer de modo linear.

Leia o resto deste artigo »

Filed under: Arte, Crítica, Cultura, Design, Política

Não é isto, é outra Coisa Qualquer

(via This Isn’t Happening)

Chateia-me sempre quando se diz que em Portugal o cinema, a pintura, a literatura, a música, o design, a crítica – ou outra manifestação cultural qualquer – não existem. E acrescenta-se com ar pomposo que ainda não existe uma versão autêntica destas coisas por aqui, apenas uma pretensão, uma espécie de simulacro amador. A verdadeira cultura seria a que se vai praticando na cena internacional. Por aqui há apenas uns tantos a fazerem de conta, na sua maioria sustentados pelo dinheiro dos contribuintes, não conseguindo sequer fazerem-se pagar honestamente.

Leia o resto deste artigo »

Filed under: Arte, Crítica, Cultura, Design, Política

Paper Tigers

Actualmente, no mundo académico das artes e do design há uma febre do paper, cuja origem é a obrigação de publicar uns tantos deles por ano para trepar na carreirita. A coisa funciona tão bem que neste momento a quantidade de doutores em design já é um argumento para demonstrar por si só a excelência actual da área. Mas, para além do efeito estatístico, qual é a influência disto tudo na sociedade?

Leia o resto deste artigo »

Filed under: Arte, Burocracia, Crítica, Cultura, Design

Só para lembrar (e esclarecer uma coisa ou duas)

 

É já daqui a um mês, no dia 12 de Novembro, que vai acontecer a primeira das seis conferências sobre livros que vou dar na Culturgest. Assim, aproveito para responder a algumas das perguntas que me têm feito sobre o assunto: as conferências vão ser em Lisboa e vão ser dadas por mim. Cada uma delas vai ter como base um livro que servirá de ponto de partida para falar sobre outros livros, publicações, eventos, locais e políticas ligados ao que poderíamos chamar edição independente contemporânea. Para já, posso adiantar que os dois primeiros livros são The Self-Reflexive Page, de Louis Lüthi (na imagem (que veio daqui)), e Pioneers of Modern Typography, de Herbert Spencer.

Mais informações no site da Culturgest

Filed under: Arte, Conferências, Crítica, Cultura, Design, Publicações

Arte Pública

(via)

Há designações verdadeiramente infelizes e “Arte Pública” é uma das piores. Apesar de toda a sua justificação teórica, de conversas sobre mapeamentos, cartografias e contacto etnográfico com as populações acaba por se traduzir numa vaga ocupação de passeios e praças. É mais uma Arte dos Espaços Públicos que uma Arte Pública – e é nesta nuance que reside toda a infelicidade do termo.

Leia o resto deste artigo »

Filed under: Arte, Crítica, Cultura, Política

Mário Moura

Mário Moura, blogger, conferencista, crítico.

Autor do livro O Design que o Design Não Vê (Orfeu Negro, 2018). Parte dos seus textos foram recolhidos no livro Design em Tempos de Crise (Braço de Ferro, 2009). A sua tese de doutoramento trata da autoria no design.

Dá aulas na FBAUP (História e Crítica do Design Tipografia, Edição) e pertence ao Centro de Investigação i2ads.

História Universal do: Estágio

O "Estágio"
O Negócio Perfeito
Maus Empregos
Trabalho a Sério
Design & Desilusão
"Fatalismo ou quê?"
Liberal, irreal, social
Conformismo
Juventude em Marcha
A Eterna Juventude
Indústrias Familiares
Papá, De Onde Vêm os Designers?
Geração Espontânea
O Parlamento das Cantigas
Soluções...

História Universal dos: Zombies

Zombies Capitalistas do Espaço Sideral
Vampiros, Zombies, Classe Média

Comentários

Comentários fora de tópico, violentos, incompreensíveis ou insultuosos serão sumariamente apagados.

Arquivos

Categorias