The Ressabiator

Ícone

Se não podes pô-los a pensar uma vez, podes pô-los a pensar duas vezes

Chris Marker 2021-2012

Numa das primeiras vezes que vi La Jetée, foi numa cópia pirata, em CD, o que já data de algum modo a ocasião. Já não uso CDs, nem sequer para música.

Vejo, leio e ouço quase tudo no meu computador. Já só vou ao cinema  quando estou disposto a ver não apenas o filme, mas também a própria sala de cinema, as silhuetas dos outros espectadores, o ruído que fazem mesmo quando se esforçam para estar em silêncio.

Leia o resto deste artigo »

Filed under: Computador, Crítica, Cultura, Não é bem design, mas..., nostalgia

Havia uma Maçã

Li hoje em qualquer lado que só houve três grandes maçãs na história: a de Adão, a de Newton e a de Steve Jobs. Conforme o primeiro logo da Apple revela, na verdade só foram duas.

Leia o resto deste artigo »

Filed under: Computador, Crítica, Cultura, Design

As pequenas cidades

gta

Há uns anos, terminava a minha tese de mestrado, um trabalho longo e exigente que implicava longas horas a escrever e outras tantas a programar. Na altura, andava bastante interessado no género de objectos de programação produzidos por John Maeda ou Ben Fry, coisas orgânicas mas elegantes, que reagiam ao toque como se estivessem vivas. Era costume passar noites em branco em frente ao computador a tentar resolver uma ou duas linhas de código mais teimosas, e pouca coisa lia que não tratasse  de programação, matemática, computadores ou história da cultura digital – de outro modo, sentiria que estava a trair o meu trabalho para o mestrado.

Leia o resto deste artigo »

Filed under: Arquitectura, Computador, Crítica, Cultura, Design

Lázaro ou Elvis?

Quando uma espécie que se julgava extinta há muito, por vezes só conhecida através de fósseis, aparece viva e de boa saúde, há duas explicações possíveis. A primeira – e mais simples – é que a espécie nunca esteve realmente morta; evitou sensatamente os seres humanos, talvez durante milénios, acabando no final por ser “apanhada” – a estas espécies, porque voltaram de entre os mortos, chamam-se espécies Lázaro. A segunda explicação é mais complicada, mas também mais interessante: pode não se tratar de uma única espécie, mas de duas espécies diferentes: uma realmente extinta e outra que se tornou, por coincidência evolutiva, semelhante à primeira – estas são as espécies Elvis, porque tal como o Rei, estão sempre a ser vistas em todo o lado, embora estejam – realmente, definitivamente – mortas.

Por um lado, isto lembra-me vagamente o enredo do filme de Christopher Nolan, The Prestige (não vou estragar o fim, mas envolve duplos e ilusionistas); por outro, lembra-me também a relação entre design gráfico e tipografia: o design assume-se como um descendente actual da tipografia, dando a entender uma linhagem ininterrupta desde Gutenberg até ao design mais recente. Mas será que a coisa é assim tão simples? Será o design um Lázaro da tipografia? Ou simplesmente um Elvis?

Leia o resto deste artigo »

Filed under: Apropriação, Computador, Crítica, Cultura, Design, Fontes, História, Tipografia

Os Sim-Lugares

sc2000dosdv9.png

Os compradores, os vendedores, as administrações, as ruas, as pontes e os edifícios estão sempre a mudar, de tal modo que a coerência das cidades se sobrepõe, de alguma forma, a um fluxo perpétuo de pessoas e estruturas. Tal como a onda estacionária em frente de uma rocha num rio com uma corrente rápida, uma cidade é um padrão no tempo.

John H. Holland, A Ordem Oculta

A minha parte favorita do Sim City é a chegada das pessoas. Depois de escolhido o terreno, traçadas as ruas, instaladas água e luz, só precisamos de ligar uma estrada à cidade mais próxima e as pessoas aparecem, quase demasiado pequenas para serem vistas, quase do tamanho de pixeis, meros pontos coloridos – só então as casas e fábricas se começam a erguer e os carros a passar. Projectamos, assim, uma cidade e ficamos à espera que a vida desça sobre ela vinda de outro lugar, como uma criança que pendura um ninho numa árvore.

Leia o resto deste artigo »

Filed under: Computador, Cultura,

A Linha do Bronzeado

mau_emprego.jpg

Desde que me lembro, nas salas de reuniões do edifício principal das Belas Artes do Porto estão pendurados os mesmos quadros, pinturas a óleo de modelos nus, tons de pele pálidos sobre fundos escuros, exercícios de aulas de figura humana de há muitas décadas atrás. Nos momentos mais difíceis das reuniões mais aborrecidas, encontrei sempre algum consolo irónico neles, em particular numa pequena pintura quase impressionista de Prometeu com o seu fígado a ser devorado por uma águia.

Leia o resto deste artigo »

Filed under: Burocracia, Computador, Crítica, Cultura, Design, Ensino, História, Política

A Cultura em Versão Demo

ps-1.png

O primeiro Photoshop que usei foi o 1.0.7, que corria num Macintosh IIfx na velha sala de computadores das Belas Artes. Com a ajuda de um colega mais experiente, digitalizei uma fotografia a 150 dpi, uma tarefa que levou pouco mais de meia hora, gasta sobretudo em tempo de espera. Atrás de mim, uma fila de cinco ou seis colegas olhava com desconfiança para a barra de progresso que se tinha imobilizado há alguns minutos. Os mais fatalistas opinavam de vez em quando que o computador tinha “crashado”, embora tudo tenha acabado por correr bem.

Leia o resto deste artigo »

Filed under: Ética, Cliente, Computador, Cultura, Design, Economia, Ensino, , , ,

Duo Design

photo-343.jpg

No começo da década de noventa, quando era aluno dos primeiros anos do curso de design nas Belas Artes do Porto, nunca tinha muito dinheiro, mas preferia saltar uma ou duas refeições em vez de deixar escapar um livro mais tentador. Costumava percorrer as livrarias do Porto à procura de livros usados, sobretudo de banda desenhada e, às vezes, depois das aulas, ia à livraria Diário de Notícias, ao fundo da rua 31 de Janeiro, ver o expositor de fanzines. Pelos padrões actuais, eram objectos toscos, fotocopiados a preto e branco, escritos à mão ou à máquina – em geral, apenas um maço de folhas com dois ou três agrafes de lado. Os mais experimentais eram fotocopiados com tinta azul ou vermelha, sobre papel colorido ou reciclado.

Leia o resto deste artigo »

Filed under: Banda Desenhada, Computador, Crítica, Design, História, Publicações, , , , ,

Interdisciplinaridade™

No começo da Revolução Industrial, os métodos de trabalho de tecelões e armeiros foram racionalizados, divididos em tarefas simples e posteriormente automatizados, incorporados em máquinas que podiam ser produzidas em massa, compradas e vendidas.

Os designers que se consideravam homens de ideias, criativos especializados na manipulação de certo tipo de significantes, achavam que estavam imunes a este tipo de mudança.

Leia o resto deste artigo »

Filed under: Computador, Cultura, Design, Economia, História, Política

Mário Moura

Mário Moura, blogger, conferencista, crítico. Escreve no blogue ressabiator.wordpress.com. Parte dos seus textos foram recolhidos no livro Design em Tempos de Crise (Braço de Ferro, 2009). A sua tese de doutoramento trata da autoria no design.

Dá aulas na FBAUP (História e Crítica do Design Tipografia, Edição) e pertence ao Centro de Investigação i2ads.

História Universal do: Estágio

O "Estágio"
O Negócio Perfeito
Maus Empregos
Trabalho a Sério
Design & Desilusão
"Fatalismo ou quê?"
Liberal, irreal, social
Conformismo
Juventude em Marcha
A Eterna Juventude
Indústrias Familiares
Papá, De Onde Vêm os Designers?
Geração Espontânea
O Parlamento das Cantigas
Soluções...

História Universal dos: Zombies

Zombies Capitalistas do Espaço Sideral
Vampiros, Zombies, Classe Média

Comentários

Comentários fora de tópico, violentos, incompreensíveis ou insultuosos serão sumariamente apagados.

Arquivos

Categorias