The Ressabiator

Ícone

Se não podes pô-los a pensar uma vez, podes pô-los a pensar duas vezes

Eu sou uma bola de berlim (update)

E é este o filme do Marcelo. Acho que as “autoridades alemãs” até lhe fizeram um favor. A coisa faz o Duarte & Cia. parecer um filme do Tarkovsky. É claro que deve ser difícil fazer um filme publicitario sem dar a sensação que se gastou um tostão. E agora já sabemos como seria um filme do Ed Wood se ele gostasse mais do Wes Anderson que do Orson Wells. Leia o resto deste artigo »

Anúncios

Filed under: Crítica, Cultura, Design, Publicidade

“Regabofe de Austeridade”

,podia ser a tradução para este Austerity Binge, escrito nos anos setenta por Bevis Hillier. Dei com ele enquanto lia o England’s Dreaming, de Jon Savage. A austeridade é a do pós-guerra e o regabofe é a histeria revivalista dos anos 50 (Rockers, American Grafitti, etc.) A austeridade de uma época recuperada enquanto excesso e nostalgia por outra, também ela austera.

Leia o resto deste artigo »

Filed under: Crítica, Cultura, Design, Design Especulativo, nostalgia, Política, Prontuário da Crise

Declínio e Queda do “Designer Como Deve Ser”

Muito do que seria considerado design noutros tempos automatizou-se, concentrou-se nos Macs, iPads e iPods. Muito do conhecimento e das ferramentas necessárias para o fazer está embutido nos programas e, se houver alguma dúvida, pode-se sempre fazer uma busca no Google. Pelo preço de um computador e de uma ligação à net, exerce-se o design de uma maneira que os velhos praticantes só sonhariam se consumissem, numa base diária, doses industriais de ficção científica – e (talvez) substâncias psicotrópicas. Ainda é preciso algum talento para navegar nesta abundância de recursos, claro, ou pelo menos um ouvido para o que está ou não na moda, mas, para isso, uns anos de escola dão o empurrão inicial, e um ambiente de trabalho estimulante e exigente fazem o resto. Leia o resto deste artigo »

Filed under: Crítica, Cultura, Design, Economia, Ensino

Ruínas

Havia uma velha piada nas Selecções do Reader’s Digest onde se descrevia o Céu como um grupo de reformados da vida, a jogarem dominó em banquinhos, a passearem de nuvem em nuvem, suspirando como lá em baixo era tudo melhor. O Inferno era mais ou menos a mesma coisa, com a diferença que podiam levar slides. Ontem, lembrei-me várias vezes da piada enquanto assistia à conferência de Rick Poynor na Esad de Matosinhos. Leia o resto deste artigo »

Filed under: Crítica, Cultura, Design

O Devido Valor.

É habitual dizer-se que ninguém dá o devido valor ao design. Que é uma actividade importante, essencial até, mas que pouca gente conhece. Se fosse reconhecida; se houvesse divulgação; se os designers se organizassem; se as escolas dessem mais formação; etc. Aí sim, seria dado o devido valor. Leia o resto deste artigo »

Filed under: Crítica, Cultura, Design, Economia, Política, Prontuário da Crise

O Feitio e o Defeito do Design

Há décadas que se diz que o design ainda está em fase de instalação aqui por Portugal. Que ainda é uma coisa nova, com problemas que a seu tempo serão resolvidos. Esta crise deveria confirmar que não: é uma coisa antiga e bem integrada, e os seus problemas são os mesmos do resto do país, não apenas agora mas há muito. Leia o resto deste artigo »

Filed under: Crítica, Cultura, Design

Outras Austeridades e o seu Design

Ando a ler, ou melhor, a tentar ler, porque são grandes e não cabem bem nas viagens, dois textos que relacionam Design e Austeridade. Não a nossa, claro (que quando combinada com o Design se traduz em produtos de luxo feitos por gente que paga para trabalhar) mas a austeridade inglesa do Pós-Guerra. Leia o resto deste artigo »

Filed under: Crítica, Cultura, Design, Economia, Política, Prontuário da Crise

Marginalia

Em Guimarães, cada loja tinha o seu coração geométrico, de renda, em madeira, em bolo. Crianças trepavam as arestas de versões maiores na Praça do Toural. Um pouco exaustivo demais para o meu gosto. Só vi o meu coração preferido a caminho da estacão de comboios, de mochila às costas e preparado para o regresso: um grafitti stencil azul com o slogan “unpaid artists perform better”.

Se vale a pena vir aos Grandes Eventos Datados (Guimarães 2012, Porto 2001, Expo98, etc.) não é apenas pela arte e pelos eventos oficiais, mas também pelos desabafos, protestos e trocadilhos que inspiram. Alguém me dizia ontem que Alfredo Jaar tinha escrito “Cultura = Capital” já não sei em que ocasião, mas não se compara ao slogan clandestino que apareceu durante o Porto 2001: “Cultura do Capital Europeu”. Ou da boca do “Allgarve, Poortugal.”

Filed under: Arte, Crítica, Cultura, Design, Política, Prontuário da Crise

Leituras Electrónicas

Já lia muita coisa no ecrã antes de comprar o iPAd, mas foi ele que me decidiu a optar por e-books e assinaturas electrónicas, em vez de livros e jornais. É mais rápido (posso começar a ler um livro no dia em que é lançado); fico com menos coisas em casa (praticamente já só compro livros e revistas vintage, para colecção); é mais fácil pesquisar e arquivar informação útil (nada de recortes ou arrependimentos de ter atirado para a reciclagem um artigo que afinal era importante); e, para quem viaja, é tudo mais portátil (pode-se ler no mesmo aparelho onde se vê um filme, lê a correspondência, ou faz uma apresentação). Leia o resto deste artigo »

Filed under: Crítica, Cultura, Design

Identidades

Cada vez mais acredito que o desafio para as artes e para o design em Portugal será a criação de identidades que se oponham e (se possível) substituam as que nos trouxeram aqui, a este momento. Não será fácil, porque as ideologias e identidades que provocaram e mantêm esta crise não só estão bem vivas nas artes como em grande medida foram ensaiadas e aperfeiçoadas dentro delas, antes de serem largadas na população em geral – os estágios não remunerados; o recibo verde; a precariedade; o trabalhador como empresário a título individual, financiando a sua participação em empresas ou eventos de grande escala, que só asseguram visibilidade ou currículo; a valorização da gestão (curadoria, p. ex) acima do trabalho propriamente dito; etc. Leia o resto deste artigo »

Filed under: Arte, Crítica, Cultura, Design, Política, Prontuário da Crise

Ser Designer

Mais do que uma vez, tenho visto designers de formação desiludidos com o design. Não os alunos maus ou mais-ou-menos, mas os melhores. A desilusão, parece-me, tem a ver com a insistência em ensinar as pessoas a serem designers – em transmitir não apenas uma competência técnica e formal, mas uma identidade. Leia o resto deste artigo »

Filed under: Crítica, Cultura, Design

Coisas que ando a debicar (enquanto leio outras)

Este é uma antologia sobre a precariedade do trabalho na arte, um assunto que me interessa há muito tempo, quase desde a altura em que escrevo para aqui. Podem encontrar alguns exemplos do que penso sobre o assunto aqui, aqui e aqui, quase tudo pré-crise. Agora, esta reflexão só se tornou mais urgente. E não basta interrogar o papel da arte na sociedade, mas também a maneira como se estrutura o trabalho dentro da arte e do design. Ou seja, não basta fazer arte política contra a precariedade quando a estrutura em que esse trabalho é produzido assenta também ela na precariedade. Leia o resto deste artigo »

Filed under: Arte, Crítica, Cultura, Design, Economia, Política, Prontuário da Crise

Coeurs Sanglants, 1988

Enki Bilal era um dos meus desenhadores favoritos da segunda metade da década de 80, com um estilo ao mesmo tempo colorido e sujo, onde ainda era possível ver os restos de um contorno, da linha clara. Não havia muita coisa que se lhe comparasse. Fazia uma ficção científica urbana, a cair para o fantástico e, muitas vezes, para o político. Pela origem jugoslava, foi o homem de serviço na altura da queda do muro, e antes ainda, quando o muro, as grandes estrelas de cinco pontas vermelhas, as locomotivas cheias de soldados eram recuperadas numa versão estilizada, nostálgica, decadente, das utopias soviéticas. Leia o resto deste artigo »

Filed under: Banda Desenhada, Crítica, Cultura, Design

Personal Views II

As Personal Views vão voltar e é uma boa notícia. Nas primeiras séries foram um acontecimento central no panorama do design português, dando oportunidade para ver os grandes nomes do design internacional ao vivo e a menos de dez metros. Havia grandes migrações e filas de espera. Mas nem era mau porque, enquanto se esperava, se podia pôr a conversa em dia com gente de Lisboa, Coimbra, etc. – eram também uma oportunidade para ver o design português como comunidade, ao vivo e acotovelando-se. Leia o resto deste artigo »

Filed under: Crítica, Cultura, Design

Subculture, The Meaning of Style, 1979

Ando a ler cada vez mais jornais, política e economia, mas desconfio que devia ler ainda mais sobre estética, estilo e cultura. Afinal, defender a cultura argumentando que é boa para a economia é ceder a uma petição de princípio: se aceitarmos que a economia é tudo, só se pode salvar o que for bom para a economia. Mas, fazendo-o, aceitamos que a economia é tudo. E nessa altura o caldo já está entornado. Leia o resto deste artigo »

Filed under: Apropriação, Crítica, Cultura, Design, Política, Prontuário da Crise

Adhocologia

Outro dia, alguém me perguntou como conseguia eu escrever tanto. A resposta mais óbvia é que faço disso uma prioridade. É, em geral, a primeira coisa que faço quando acordo, e só fico verdadeiramente descansado quando clico no botão azul de “Publicar” do WordPress.

Tudo o resto vem depois. Leia o resto deste artigo »

Filed under: Crítica, Cultura, Design

Outdoor, a ver se cola

Dois dirigentes do PS resolveram fazer um outdoor apelando aos deputados do PSD a votarem contra o seu próprio orçamento. Segundo o Público, pagam a iniciativa do próprio bolso, embora alguns colegas já se tenham oferecido para ajudar.

Leia o resto deste artigo »

Filed under: Crítica, Cultura, Design, Política, Prontuário da Crise

Manifestação

Vou hoje à do Porto. Razões: defender a cultura, defender o que é público, defender a dignidade do trabalho, defender a própria ideia de que há direitos (na saúde, na educação, na justiça).

Leia o resto deste artigo »

Filed under: Crítica, Cultura, Design, Política, Prontuário da Crise

La Société des Ambianceurs et des Personnes Élégantes (Sape)

Dei com estes senhores aqui. Chamam-se sapeurs (ver título) e vestem-se com brio e cores extravagantes em plena pobreza do Congo. Leia o resto deste artigo »

Filed under: Ética, Crítica, Cultura, Design, Economia, Política, Prontuário da Crise

Tua, Património Mundial da Humidade

Segundo o Público, a Unesco não considera que a barragem da Foz ameace o estatuto de Património Mundial da Humanidade da região do Alto Douro Vinhateiro, louvando a decisão de enterrar os edifícios da barragem como estratégia para diminuir o seu impacto. Calculo que o facto de haver ali o dedo de arquitecto de renome também não prejudique o valor patrimonial da enormidade.

Leia o resto deste artigo »

Filed under: Arquitectura, Crítica, Cultura, Design, Economia, Política

Mário Moura

Mário Moura, blogger, conferencista, crítico.

Autor do livro O Design que o Design Não Vê (Orfeu Negro, 2018). Parte dos seus textos foram recolhidos no livro Design em Tempos de Crise (Braço de Ferro, 2009). A sua tese de doutoramento trata da autoria no design.

Dá aulas na FBAUP (História e Crítica do Design Tipografia, Edição) e pertence ao Centro de Investigação i2ads.

História Universal do: Estágio

O "Estágio"
O Negócio Perfeito
Maus Empregos
Trabalho a Sério
Design & Desilusão
"Fatalismo ou quê?"
Liberal, irreal, social
Conformismo
Juventude em Marcha
A Eterna Juventude
Indústrias Familiares
Papá, De Onde Vêm os Designers?
Geração Espontânea
O Parlamento das Cantigas
Soluções...

História Universal dos: Zombies

Zombies Capitalistas do Espaço Sideral
Vampiros, Zombies, Classe Média

Comentários

Comentários fora de tópico, violentos, incompreensíveis ou insultuosos serão sumariamente apagados.

Comentários Recentes

Lia Ferreira em Por um lado
Jose Mateus em Censura em Serralves
L. em Lisboa Cidade Triste e Al…
Mário Moura em Livro
João Sobral em Livro

Arquivos

Categorias