The Ressabiator

Ícone

Se não podes pô-los a pensar uma vez, podes pô-los a pensar duas vezes

Cultural Marginal

serralves33.jpg

No fim de Abril de 2007, num debate no Museu de Arte Contemporânea de Serralves, sobre “O que significa ser artista em Portugal?”, a artista Isabel Carvalho acusou o Museu de Serralves de ignorar os artistas do Porto. À primeira vista, a acusação parecia paradoxal, talvez até injusta – afinal, era o próprio Museu que disponibilizava o espaço para aquele debate –, mas, na discussão que se seguiu (e que continuou nos blogues e, mais tarde nos jornais), tornou-se evidente que o que estava em jogo não era a falta de interesse do Museu na cena alternativa, mas o próprio papel do Museu em relação à cidade. Se Serralves não dedicava ao Porto mais do que uma atenção circunstancial, como podia esperar assumir algum protagonismo ali?

Leia o resto deste artigo »

Filed under: Arte, Burocracia, Conferências, Crítica, Cultura, Design, Economia, Política, , , , , ,

A Cena Independente do Porto ou a Comunidade enquanto Mercadoria

photo-150.jpg

Thus, and thus only, the whole place had properly to be regarded; it had to be considered not so much as a workshop for artists, but as a frail but finished work of art.

G.K. Chesterton, The Man Who Was Thursday – A Nightmare

No começo do livro “O Homem que Era Quinta-Feira”, G.K. Chesterton descreve uma colónia de artistas londrina do começo do século XX como uma obra de arte acabada e frágil, que nunca produz realmente arte. Mas as aparências enganam, e a comunidade pacata mascara assuntos sérios, neste caso a guerra secreta entre uma conspiração governamental e uma conspiração de anarquistas, que acaba por se revelar finalmente como apenas um jogo de espelhos, sem verdadeiros antagonismos. Da mesma forma, aquilo a que se chama a cena independente do Porto é também uma frágil e acabada obra de arte que esconde alterações profundas no modo de ser dos artistas, quer a nível económico como social.

Leia o resto deste artigo »

Filed under: Crítica, Cultura, Exposições, Política, ,

Mário Moura

Mário Moura, blogger, conferencista, crítico.

Autor do livro O Design que o Design Não Vê (Orfeu Negro, 2018). Parte dos seus textos foram recolhidos no livro Design em Tempos de Crise (Braço de Ferro, 2009). A sua tese de doutoramento trata da autoria no design.

Dá aulas na FBAUP (História e Crítica do Design Tipografia, Edição) e pertence ao Centro de Investigação i2ads.

História Universal do: Estágio

O "Estágio"
O Negócio Perfeito
Maus Empregos
Trabalho a Sério
Design & Desilusão
"Fatalismo ou quê?"
Liberal, irreal, social
Conformismo
Juventude em Marcha
A Eterna Juventude
Indústrias Familiares
Papá, De Onde Vêm os Designers?
Geração Espontânea
O Parlamento das Cantigas
Soluções...

História Universal dos: Zombies

Zombies Capitalistas do Espaço Sideral
Vampiros, Zombies, Classe Média

Comentários

Comentários fora de tópico, violentos, incompreensíveis ou insultuosos serão sumariamente apagados.

Arquivos

Categorias