The Ressabiator

Ícone

Se não podes pô-los a pensar uma vez, podes pô-los a pensar duas vezes

A Amnésia do Designer

Há uma inocência necessária, essencial, no modo como os designers – mas também outros artistas – seguem uma moda. Apresentam um trabalho que segue uma tendência formal evidente (uma certa fonte, uma certa combinação de cores, um certo padrão, etc.) mas acrescentam que faz todo o sentido, a fonte adequa-se ao tema, as cores à história do cliente, o padrão assemelha-se a azulejos ou a um tapete tradicional, etc. Contudo, tudo se assemelha a outros trabalhos produzidos nesse mesmo momento. Faz parte da capacidade do designer fazer parte de uma moda, de um movimento, como se fosse algo essencial, inescapável. E como tal esquecer que antes desse movimento houve outros e haverá mais a seguir. É uma espécie de amnésia criativa.
 
Quando se fala de valores universais há um mal entendido comum. Acredita-se que o designer deverá trabalhar para que toda a gente entenda o seu trabalho. A amnésia do designer ilustra outro tipo de universalidade mais comum mas, pela sua própria natureza, mais discreta. A capacidade de embarcar numa moda transitória como se fosse eterna, como se fosse a solução para tudo, empresta a essa moda um desejo de universalidade. É o que (por incrível que pareça) Kant descreve na sua ética e na sua estética: só se deve fazer ou gostar de qualquer coisa se conseguirmos desejar que, nas mesmas circunstâncias, qualquer outra pessoa fizesse ou gostasse do mesmo modo. Não é uma garantia que qualquer outra pessoa realmente o fizesse mas é uma garantia da nossa boa fé. Que estamos a fazer ou a gostar da melhor maneira que nos é possível. Esquecendo o carácter transitório da moda, o melhor designer aspira a cada momento à universalidade.
Anúncios

Filed under: Crítica

Mário Moura

Mário Moura, blogger, conferencista, crítico. Escreve no blogue ressabiator.wordpress.com. Parte dos seus textos foram recolhidos no livro Design em Tempos de Crise (Braço de Ferro, 2009). A sua tese de doutoramento trata da autoria no design.

Dá aulas na FBAUP (História e Crítica do Design Tipografia, Edição) e pertence ao Centro de Investigação i2ads.

História Universal do: Estágio

O "Estágio"
O Negócio Perfeito
Maus Empregos
Trabalho a Sério
Design & Desilusão
"Fatalismo ou quê?"
Liberal, irreal, social
Conformismo
Juventude em Marcha
A Eterna Juventude
Indústrias Familiares
Papá, De Onde Vêm os Designers?
Geração Espontânea
O Parlamento das Cantigas
Soluções...

História Universal dos: Zombies

Zombies Capitalistas do Espaço Sideral
Vampiros, Zombies, Classe Média

Comentários

Comentários fora de tópico, violentos, incompreensíveis ou insultuosos serão sumariamente apagados.

Comentários Recentes

Mário Moura em Livro
João Sobral em Livro
Peixinho de Prata em O Espectador Calado
Mário Moura em Occidente, 1889
Augusto José em Occidente, 1889

Arquivos

Categorias