The Ressabiator

Ícone

Se não podes pô-los a pensar uma vez, podes pô-los a pensar duas vezes

O autor empalhado

A melhor demonstração da ideia de Morte do Autor está na capa das suas edições mais recentes aqui em Portugal. Têm uma fotografia do autor, o próprio Roland Barthes. Numa análise superficial, dir-se-á uma contradição. O autor a aparecer na capa da sua morte. Não só o sujeito que escreveu, mas realmente o Autor, a figura tutelar, que aparece como uma fonte física de autoridade, que, mesmo gordo, careca e o resto, mesmo que ele próprio o proíba, como Salinger e Pynchon, tem que aparecer, tem que se ver a cara dele para confiar no livro.

Mas não, não é uma contradição, só uma confirmação. Barthes está morto, foi atropelado pela carrinha do homem do leite. E, mesmo quando estava vivo, já se podia fazer tudo o que se quisesse com o trabalho dele. O único obstáculo era ele próprio.

As primeiras edições dele em Portugal eram perfeitamente Barthianas. Nas capas tinham padrões quase abstractos. Uma delas tinha a demonstração diagramática de como funciona o formato A4. A geometria recursiva lembrava indirectamente arte islâmica porque o objectivo era próximo: não representar a figura do profeta. Na contracapa não vinha a foto do autor.

Acabo sempre por gravitar para estas edições brancas, as mas antigas de Barthes, não pela fidelidade aos princípios do Autor, mas porque percebi que, apesar de toda a perfeição canónica do design das mais recentes, consigo lê-las bem melhor.

Mas o que sei é que estas novas edições, com a foto do homem na capa, demonstram bem que o Autor morreu, porque até com Barthes se pode fazer o oposto do que ele quereria.

Anúncios

Filed under: bicker, Crítica, ,

Mário Moura

Mário Moura, blogger, conferencista, crítico.

Autor do livro O Design que o Design Não Vê (Orfeu Negro, 2018). Parte dos seus textos foram recolhidos no livro Design em Tempos de Crise (Braço de Ferro, 2009). A sua tese de doutoramento trata da autoria no design.

Dá aulas na FBAUP (História e Crítica do Design Tipografia, Edição) e pertence ao Centro de Investigação i2ads.

História Universal do: Estágio

O "Estágio"
O Negócio Perfeito
Maus Empregos
Trabalho a Sério
Design & Desilusão
"Fatalismo ou quê?"
Liberal, irreal, social
Conformismo
Juventude em Marcha
A Eterna Juventude
Indústrias Familiares
Papá, De Onde Vêm os Designers?
Geração Espontânea
O Parlamento das Cantigas
Soluções...

História Universal dos: Zombies

Zombies Capitalistas do Espaço Sideral
Vampiros, Zombies, Classe Média

Comentários

Comentários fora de tópico, violentos, incompreensíveis ou insultuosos serão sumariamente apagados.

Comentários Recentes

Lia Ferreira em Por um lado
Jose Mateus em Censura em Serralves
L. em Lisboa Cidade Triste e Al…
Mário Moura em Livro
João Sobral em Livro

Arquivos

Categorias