The Ressabiator

Ícone

Se não podes pô-los a pensar uma vez, podes pô-los a pensar duas vezes

Livros do Ano

P1070083

Não me apetece fazer uma lista de novidades editoriais que se resumiriam a fazer coro com editoras, jornais e revistas. Portanto, esta é uma lista de coisas – livros, revistas, coisas – que me apeteceu ter este ano e que por sorte consegui entalar nas minhas estantes. Leia o resto deste artigo »

Anúncios

Filed under: Crítica

O Fim da Sociedade de Consumo

andy-warhol-museum-a-compact-center-of-arts-07

Dei-me conta outro dia que a sociedade de consumo acabou. Não sei quando foi.¹ Mas acabou com toda a certeza. E não foi a esquerda que deu cabo dela mas o neoliberalismo. Sim. É verdade.

Dentro da doutrina neoliberal não há pior do que um consumidor. Só os idiotas, os inúteis e os parasitas consomem. É o que significa o discurso do “vivemos acima dos nossos meios”. E aqueles artigos que se surpreendem quando os portugueses gastam o seu dinheiro numa Bimby ou vão muito a concertos. Comem fora, mesmo com sacrifícios.

O país reestruturado pela austeridade neoliberal não consome; produz coisas  para exportar, o que significa consumidas longe, noutro lugar, mais estúpido e esbanjador do que nós – é essa a receita que a Alemanha não se cansa de apregoar. À deslocalização do trabalho juntou-se a deslocalização do consumo. É por isso que, num país pobre, se fazem tantas merdas gurmê e de luxo. Obviamente, não são feitas para serem consumidas aqui. Leia o resto deste artigo »

Filed under: Crítica

Portucall Center

Hoje (um eufemismo para as últimas 48h), tentei em vão cancelar a internet no meu iPad. O aparelhómetro expirou uns dias depois da garantia de dois anos ter feito o mesmo. E, de qualquer modo, já há uns tempos que tinha dificuldade a reconhecer o cartão de internet. Escarafunchando com um clipe ainda se conseguia resolver o problema durante períodos cada vez mais curtos, mas entretanto percebi que podia viver sem internet e sem iPad. Decidi ir a uma loja da tmn acabar com a assinatura. Leia o resto deste artigo »

Filed under: Crítica

Leituras de Natal

O Natal foi bom, com net pouca, lenta e coada pelo telemóvel. Não actualizei o blog. Voltei a comprar o jornal em papel e a ver as notícias pela tv. Tinha coisas sérias para ler mas preferi reler O Nascimento da Biopolítica, o seminário que Foucault dedicou ao neoliberalismo em 1979. Devia ser leitura obrigatória, sobretudo para os nossos comentadores qualquercoisóliberais que claramente nem daquilo que defendem percebem – explica, por exemplo, aquela aparente contradição de como um Governo neoliberal pode ser intervencionista e policial ao extremo. Leia o resto deste artigo »

Filed under: Crítica

Holocausto Gurmê

Ontem manifestei aqui o meu repúdio e perplexidade pelo projecto, entretanto apagado, de um cofre de luxo inspirado nas emoções de judeus enquanto eram arrebanhados pelos Nazis para serem levados para campos de extermínio. Se é possível tirar alguma lição desta estupidez é que se tornou demasiado fácil ser empreendedor à custa dos outros. Já se tornou habitual ver design de luxo, eventos e objectos de elevado orçamento sustentados por centenas de pessoas que trabalham de graça meses a fio. Ainda choca que se façam versões gurmê do Holocausto; já quase não choca que se produzam versões gurmê de pobreza e de austeridade menos óbvias. Leia o resto deste artigo »

Filed under: Crítica

2013

Não ia fazer listas do ano mas concluí que afinal até dão jeito:

1. Governo do ano: PSD/PP.

2. Oposição do ano: PSD/PP (pela sua oposição persistente e incansável ao Governo Sócrates).

3. Artista do regime do ano: Joana Vasconcelos.

4. Arte pública do ano: o relógio-despertador de Portas.

5. Arte privada do ano: o Crivelli.

6. Privatização do ano: ainda ninguém se lembrou de privatizar o ano.

7. Escritor Infantil do Ano: João César das Neves, pelo seu livro de economia para crianças. Margarida Rebelo Pinto. Ex-Aequo.

8. Privatização Infantil do Ano: Grupo GPS, pela sua contribuição para a privatização das criancinhas.

9. Colunista com o ar mais sério do ano: José Manuel Fernandes.

10. Colunista com o ar de um tio que está prestes a mostrar aos sobrinhos aquele truque do polegar que se destaca do ano: João Miguel Tavares.

 

 

Filed under: Crítica

E entretanto…

…já eliminaram todas as referências ao holocausto do site. Agora é só um guarda jóias chamado warsaw.

Update: vestigios aqui.

Update: E uma cópia do artigo todo em pdf.

Filed under: Crítica

Já agora

design geral

Já agora só para dar contexto: os génios que acharam que a melhor maneira de evitar a banalidade do mal era criar-lhe um modelo de luxo são os mesmos que anunciaram um mini-estágio não-remunerado durante feriados com um cartaz a imitar o de uma greve geral e que, com ajuda desse trabalho não-remunerado, produziram um cofre arrombado forrado a ouro para vender numa feira de milionários. A pobreza-gurmê não era suficiente, tinham que inventar o holocausto-gurmê.

Filed under: Crítica

Aposto que vai ser um sucesso em Israel

limited-edition-furniture-warsaw-safe-by-boca-do-lobo

Pensava que não era possível o design de luxo português descer ainda mais baixo, em pura inanidade ofensiva, mas a realidade insiste em fazer de mim um optimista: olhem para este “cofre de luxo” de “edição limitada” inspirado nas malas dos prisioneiros dos campos de concentração nazis. Nem vale a pena comentar.

Update: E entretanto já eliminaram o texto a relacionar esta pérola do design com o holocausto. Agora é só um cofre de luxo feito de réplicas de malas dos anos trinta chamado Warsaw. Boa sorte com isso.

Update: Para memória futura, fica aqui um print screen parcial.

Update: E uma cópia do artigo todo em pdf.

Filed under: Crítica

Olhó Robô!

Ontem, a meio numa discussão sobre economia – será que há outras, neste momento? –, alguém sugeriu que a principal razão para o desemprego é a automatização. É uma ideia comum, mas que me parece errada. Mesmo em Portugal, como se pode verificar em qualquer site de classificados, não há falta de ofertas de emprego. Há é falta de vontade ou capacidade de pagar um salário decente ou de todo. Dá-me a sensação que nos velhos tempos, quando se investia num negócio qualquer, parte do capital era destinado a pagar salários. Agora, parece quase de mau tom dar a entender que se vai pagar alguma coisa. E isto não se passa apenas em start-ups mas em firmas estabelecidas, que dão lucro.

O problema não é portanto a automatização, mas uma assimetria cada vez maior na distribuição dos dividendos, que prejudica o trabalho humano em favor da sua gestão. Essa assimetria não tem a sua raiz num imperativo estrutural da economia mas é uma convenção social. Repare-se como em áreas de difícil automatização, como as artes plásticas, a ênfase mudou de uma valorização de aptidões físicas, características do trabalho subalterno – destreza, precisão, coordenação – para aptidões administrativas, com a hegemonia do curatorial.

Filed under: Crítica

Ir para fora cá dentro

Os números que anunciam a melhoria são mínimos. Tirando o optimismo do Governo, pouca gente os terá visto. A economia cresce mas os salários descem e os impostos sobem. A economia cresce para meia dúzia de pessoas que já não eram pobres quando tudo isto começou. O emprego cresce mas é mais precário e pior. Para a maioria do país acreditar ou duvidar da economia é o mesmo que torcer ou não por uma equipa de futebol – tirando a sensação de ganhar ou perder, não tem efeito nenhum sobre a sua vida. A sensação de pertencer a algo maior, a uma economia, a um país, é só mesmo isso: uma sensação. Não interessa quem ganha ou perde. Cá fora, fica tudo na mesma – ou seja, vai piorando. E, aos poucos, há cada vez mais “cá fora”. Cada vez mais gente nas margens. O triunfo do Governo depende de ir aparando o que corre mal, o que dá trabalho, o que fica mal na foto. Desde o começo que o discurso oficial lamenta os desempregados ou a pobreza mas sublinha tudo o que corre bem para além disso – na realidade, por causa disso. É como se vivêssemos em dois países, um que cresce cada vez mais, vai ficando mais pobre e desintegrado, e outro que vai reduzindo enquanto enriquece brutalmente.

Filed under: Crítica

Modes of Criticism

3fce1ef01def11e3ab6822000a1fb191_7

A convite do Francisco Laranjo, publico no site Modes of Criticism uma versão ampliada deste texto sobre a identidade da Trienal de Arquitectura que agora encerra.

Filed under: Crítica

Pastoral dos Patos

P1070041

Um dos meus autores favoritos de banda desenhada de todos os tempos é Carl Barks, o inventor de Patópolis, do Tio Patinhas, do professor Pardal. Mesmo anónimo entre os tarefeiros da Disney, obrigado a assinar com o logo do patrão, brilhava e bem.

Percebe-se porquê ao ler Vacation Time, publicada originalmente em 1950. A composição da página é inventiva cheia de ângulos e tensões. A riqueza da paisagem antecipa as melhores pranchas de Domingo de Calvin e Hobbes. Mas o que comove é a autenticidade da história. Leia o resto deste artigo »

Filed under: Crítica

Fronteiras

Não estava à espera, mas gostei da rábula dos Gato Fedorento. Depois de semanas, a discutir o radicalismo e os supostos “apelos à violência” de Mário Soares foi refrescante pesar os prós e contras  de dar uma carga de porrada ao Primeiro Ministro ou simplesmente alvejar-lhe os tintins. Põe as coisas em perspectiva. Leia o resto deste artigo »

Filed under: Crítica

Mau perder

José Manuel Fernandes não é economista mas andou a falar com um economista, catedrático, antigo membro do Governo e o resto, que lhe disse que “os economistas ainda são piores que os meteorologistas a fazer previsões”.

E porque invoca ele o bitaite? Porque há um ano, toda a gente (incluindo Cavaco) tinha aceite que tínhamos entrado numa espiral recessiva o que afinal não se verificou. E foi mais uma previsão de economistas que falhou, conclui. Calculo que as outras previsões que falharam sejam as do infalível Gaspar. Leia o resto deste artigo »

Filed under: Crítica

“Boas Notícias”

A nova moda entre os comentadores pró-austeridade é acusarem os cépticos de mau perder. Dizem eles: Então a economia não está a crescer? Não aumentamos as exportações? Não saímos da recessão técnica? Até parece que preferiam que estivesse a correr mal? Leia o resto deste artigo »

Filed under: Crítica

Actividade Febril

Passei em rápida sucessão por uma laringite, pedras nos rins, gripe, sinusite (minhas) e ainda estive a cuidar de outras pessoas com quase tanto azar como eu. Já estava a estranhar ter passado dois ou três dias sem medicação e com as narinas limitadas a deixar entrar e sair elementos gasosos (e não líquidos). Agora, vou na segunda gripe. O que me faz perceber como já não estou habituado a fazer só uma coisa de cada vez – o estado a que a doença me condena. Nos velhos tempos, demorava uma semana a escrever um texto para aqui. Agora, escrevo e publico uma revista sozinho num mês, enquanto termino outros textos de fôlego e cumpro a infinita sucessão de fretes que é Bolonha.

Filed under: Crítica

O Avesso da Fé

Por experiência, sei que as grandes rupturas só muito raramente são rápidas. A fé tem a sua própria inércia. Continua a mexer-se mesmo depois da sua energia acabar. Deixamos de acreditar em alguém, numa instituição ou num país, mas leva algum tempo a haver consequências dessa descrença, até para nós, os novos infiéis. Podemos até insistir, com quem nos queira ouvir, que perdemos a fé, que já não acreditamos, mas ninguém nos leva a sério, porque continuamos a fazer as mesmas coisas, a seguir os mesmos horários, os mesmos hábitos. Até podemos dizer que já não acreditamos, mas é como uma oração em negativo, um pedido para que a nossa falta de fé se concretize. E em geral só é atendido quando já nem isso pedimos.

Filed under: Crítica

Para acabar de vez com a “arte pública”

Como este governo bem sabe, as trincheiras também se aguentam no campo das palavras. Não admira que a formação de gente como Portas seja o pós-modernismo aplicado do Independente ou da Kapa. Multiplicar os significados já foi uma boa maneira de subverter dogmas. Agora, é só uma maneira de fugir, à maneira da lula ou do choco, deixando atrás de si uma nuvem de tinta de duplos, triplos, quádruplos sentidos.

Veja-se como João Miguel Tavares, um Miguel Esteves Cardoso de marca branca, se tenta escapar à designação de neoliberal, sem se aperceber que o nome é apenas uma maneira de abreviar um conjunto de políticas lesivas com as quais ele nunca escondeu concordar.

Assim, volto a insistir: numa era de privatizações impostas à má fila, o termo “Arte Pública” devia ser um campo de batalha. Em vez disso, serve apenas para descrever coisas feitas ao ar livre. E a EDP privatiza-se e faz roteiros de Arte Pública. E artistas altamente patrocinados, como Joana Vasconcelos, também fazem Arte Pública. E também aqui se opera uma subtil privatização.

Filed under: Crítica

Amor da Perdição

Já tinha comentado este meu novo vício com amigos: ando atrás de histórias sobre losers. Não me bastam as aparências, não me basta o pseudo-loser que no fim ganha tudo, contra todas as probabilidades, preciso de gente que perca mesmo e muito. Leia o resto deste artigo »

Filed under: Crítica

Mário Moura

Mário Moura, blogger, conferencista, crítico. Escreve no blogue ressabiator.wordpress.com. Parte dos seus textos foram recolhidos no livro Design em Tempos de Crise (Braço de Ferro, 2009). A sua tese de doutoramento trata da autoria no design.

Dá aulas na FBAUP (História e Crítica do Design Tipografia, Edição) e pertence ao Centro de Investigação i2ads.

História Universal do: Estágio

O "Estágio"
O Negócio Perfeito
Maus Empregos
Trabalho a Sério
Design & Desilusão
"Fatalismo ou quê?"
Liberal, irreal, social
Conformismo
Juventude em Marcha
A Eterna Juventude
Indústrias Familiares
Papá, De Onde Vêm os Designers?
Geração Espontânea
O Parlamento das Cantigas
Soluções...

História Universal dos: Zombies

Zombies Capitalistas do Espaço Sideral
Vampiros, Zombies, Classe Média

Comentários

Comentários fora de tópico, violentos, incompreensíveis ou insultuosos serão sumariamente apagados.

Comentários Recentes

Mário Moura em Livro
João Sobral em Livro
Peixinho de Prata em O Espectador Calado
Mário Moura em Occidente, 1889
Augusto José em Occidente, 1889

Arquivos

Categorias