The Ressabiator

Ícone

Se não podes pô-los a pensar uma vez, podes pô-los a pensar duas vezes

Para acabar de vez com a “arte pública”

Como este governo bem sabe, as trincheiras também se aguentam no campo das palavras. Não admira que a formação de gente como Portas seja o pós-modernismo aplicado do Independente ou da Kapa. Multiplicar os significados já foi uma boa maneira de subverter dogmas. Agora, é só uma maneira de fugir, à maneira da lula ou do choco, deixando atrás de si uma nuvem de tinta de duplos, triplos, quádruplos sentidos.

Veja-se como João Miguel Tavares, um Miguel Esteves Cardoso de marca branca, se tenta escapar à designação de neoliberal, sem se aperceber que o nome é apenas uma maneira de abreviar um conjunto de políticas lesivas com as quais ele nunca escondeu concordar.

Assim, volto a insistir: numa era de privatizações impostas à má fila, o termo “Arte Pública” devia ser um campo de batalha. Em vez disso, serve apenas para descrever coisas feitas ao ar livre. E a EDP privatiza-se e faz roteiros de Arte Pública. E artistas altamente patrocinados, como Joana Vasconcelos, também fazem Arte Pública. E também aqui se opera uma subtil privatização.

Anúncios

Filed under: Crítica

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Arquivos

Arquivos

Categorias

%d bloggers like this: